Tag Archives: Feminismo Radical

Feminismo Radical: Esse Movimento Frígido Anti-Orgasmo

30 mar

Vou contar uma coisa pra vocês:  às vezes, apesar da imensa correria, acontecem umas coisas na minha vida que me levam á necessidade urgente do desabafo. Do tipo: ou escrevo, ou morro de câncer/úlcera/vomitarei meu intestino.

Hoje foi mais um desses dias. Topei, através do twitter da querida @fadamariposa, com a seguinte “notícia”: Movimento feminista pede para mulheres não mais transarem ‘de quatro’.

Claro que diante de uma chamada dessa minha reação foi um claro “MAS QUE PORRA…?!”, mas né, já que vamos sofrer, vamos sofrer informadas. Resolvi ler a tal “notícia” da página entitulada Tramado por Mulheres (abreviado como TPM, aquele período onde as mulheres viram – um pouco mais – bestas demoníacas e irracionais descontroladas, oh nooes!). Aliás, tem um “Por Mulheres” no título da página, mas opa, o post foi escrito por um tal Fabio Flores, é isso mesmo Evaristo? Enfim, coerência não parece ser muito o forte de lá mesmo, então relevemos.

Nesta pérola, descobrimos que uma tal de Helena Ramirez (boa sorte pra saber quem é, nem Google foi capaz), suposta “líder do movimento feminista no Brasil” foi entrevistada (boa sorte pra achar provas disso também) no programa do Jô, na Rede Globo (datas? Também vamos ficar devendo, viu?), e nele “afirmou” uma série de loucuras, como: “‘homem que busca sexo anal em relação hétero está fazendo estágio pra virar veado”. Porque né, claro que homofobia e feminismo caminham lado a lado! Ah, o feminismo, esse movimento que luta pela legislação sexual rígida e padronizada…not.

Claro, nós feministas somos estritas defensoras da Família, Tradição e Propriedade. Nosso Presidente do movimento tem como sobrenome Bolsonaro né amiguës?

Pra quem ainda não sacou, esse post foi publicado vinculado a tag “Jornalismo Mentira”, e NENHUM dos fatos narrados aconteceu. Ou seja, um hoax, propagado na velocidade da luz graças ao incentivo de famosos e queridos blogs como o desprezível Testosterona e afins.

Se trata apenas da 563.746.687.637.654 piadinha anti-feminista feita desde que o movimento existe, e do 784.526.894 autor que se acha MUITO inovador e crítico por vomitar os mesmos gorfos que são vomitados há séculos por quem manja nequinhas flácidas do Movimento das Mulheres.

Troféu Bolsonaro da Criatividade Jornalística pra eles!

Explico: pra começar, o movimento feminista não é feito por/para líderes. Claro, temos muitas referências, muitas mesmo, mas o movimento é plural. Recomendo imploro que você leia o F.A.Q Feminista para entender melhor alguns desses aspectos.

Apesar do que todos insistem em acreditar, o feminismo também NÃO é um movimento frígido ou anti-sexo, apesar de muitas de nós sermos anti-PORNOGRAFIA (se você sabe ler, vai descobrir que isso não é ser anti-relações-sexuais). A maioria de nós gosta, e muito, de sexo. Algumas até são pró-porn se você quer saber, porque não, não há uma catraca com uma senhora falando “você é feminista o suficiente, pode passar”. Somos plurais, e podemos discordar umas das outras em alguns aspectos. Inclusive, acho pessoalmente um lixo esse conceito de que todxs temos que ser super sensuais e tesantes o tempo inteiro. Acho a assexualidade perfeitamente normal, mais até do que essa uber-pornificação. Mas isso sou eu, e enfim, voltemos ao feminismo.

Não há liberdade política se não há liberdade sexual.

O que nós queremos é que as mulheres possam gozar sim, e muito. Dando a elas a liberdade de se sentirem confortáveis nos próprios corpos, e que possam escolher suas/seus parceirxs sem restrições desnecessárias. Queremos o direito ao orgasmo livre de performances, de amarras normativas. Que usemos chinelos, pés descalços, saltos altos, água corrente ou blush azul em mousse: tudo quando e se nos der vontade. Apenas isso.

Você dificilmente (nunca?) verá uma feminista apontado para a cara das pessoas sobre o que elas devem ou não fazer na cama, com os corpos, com os cabelos, com o demônio que o parta: nós queremos liberdade. Para nós e para os homens, que também são sempre enlatados em estereótipos ultra-masculinos, sem oportunidade de vivências e práticas sexuais que podem ser interessantes para todos os envolvidos, que deixam de ser realizados em nome de uma masculinidade padrão.

Homens: o prazer anal os transformaria em homossexuais tanto quanto o sexo oral transformaria as mulheres em lésbicas. São apenas partes do seu corpo, creia-me. Viva, experimente, mande pro inferno todas as regras que foram postas ao longo da sua vida sobre o que você deve ou não fazer para te conduzir ao prazer.

Não há um número correto ou inadequado a ser estipulado para parceiros sexuais, e se estereótipos negativos foram criados acerca disso, posso te garantir com toda a certeza do mundo que não foi o feminismo que os criou.

Nosso foco nunca foi o castramento, o encarceramento do prazer. Lutamos precisa e massivamente para que isto seja natural e livre, que haja vontade de fato, que haja desejo genuíno. Se duvida do que digo, pode pesquisar qualquer obra literarária feminista e verá o quanto desta foi dedicado ao descobrimento e exploração do clitóris, por exemplo.

Ainda assim, existem autores com grande visibilidade que insistem em disseminar tantas “brincadeirinhas inocentes” e preconceitos explícitos sobre um assunto que desconhecem por absoluto, e, no entanto, insistem em massacrar de acordo com o que ouviram por aí, sem nunca terem se aprofundado na história, no movimento, na vivência…

"Mamãe, quando eu crescer eu quero ajudar a esmagar os paradigmas branco-racistas, homofóbicos e patriarcais de merda também!"

O feminismo, assim como o movimento anti-rascista e anti-homofóbico, não prega a supremacia das mulheres, dxs negrxs ou dxs homossexuais. É tão e somente CONTRA a opressão dos mesmos.

Aparentemente, dá muito mais ibope (vide o tanto de “curtir” no facebook que esse hoax nojento vem agregando) fingir notícias que exploram mais ainda um conceito absurdo de movimentos anti-violência e opressão, enquanto a ignorância é disseminada, porque isso pode te conferir o sagrado posto de “crítico” e “anti-politicamente-correto”.

Não há do que ter orgulho no seu preconceito homofóbico / sexista / racista de merda, e tampouco há nada de crítico ou inovador nisso. Desde tempos que eu mal consigo datar o homem branco, cristão e heterossexual oprime desde os animais até os seus semelhantes. Então por favor, pense um pouquinho antes de cuspir por aí todos os vômitos que já foram expurgados antes de você, por pessoas igualmente desinformadas. A internet ta aí, amigxs, é só pesquisar um pouquinho, dói menos do que depilação com cera.