Onívoros: A Minha Empatia Caga Na Sua.

12 jul

"Ah, você não liga". Porque a falta de empatia é muito descolada.

Se você defende alguma causa (animais não-humanos, mulheres, LGBTTT, negrxs, liberdade, fraternidade, igualdade ou o fim da ditadura do automóvel) você com certeza já foi chamadx de radical.

Não quis comer o torresmo com a galera? Xiita.

Não gosta da cruz dentro do ambiente de trabalho? Intolerante.

Acha que homofobia deveria ser crime? Tá impondo seu modo de vida pros outros, terrorista? Vá pra Cuba!

Enquanto isso, uma corrente de pensamento ganha força, especialmente no ciberespaço. Um backlash declarado e seboso. O culto de ódio à empatia.

Se posicionar contra algum tipo de exploração e abuso, ou adotar novas posturas políticas e de conduta são motivos de piada.

Legal mesmo é ser “anti-politicamente-correto” (leia-se, direitóide gorfador de opiniões conservadoras e que pretende manter seus privilégios no topo da sociedade, como sempre foi) e ofender quem dá a mínima sobre qualquer coisa. Bom mesmo é quem é macho e bate punheta com um bacon enrolado no pau, que é pra dar destaque na virilidade onívora.

Sim, prezadxs, virilidade onívora. Já repararam na quantidade massiva e crescente de canais, blogs, vídeos e artigos enaltecendo a carne como instrumento de empoderamento másculo? Não que seja novidade, Carol J. Adams já falava sobre essa relação no seu Sexual Politics of Meat: A Feminist-Vegetarian Critical Theory (Políticas Sexuais da Carne: Uma Crítica Teórica Feminista-Vegetariana) e eu não estou aqui para repetir tudo que foi dito por ela.
Dia desses estava trabalhando, quando o meu digníssimo me manda um vídeo de fazer retornar ao colo a refeição ingerida a pouco.

O título da belezinha é “Carnívoros Song” , e claro que é um ode a todos os grandes clichêZZzzzzZZZzzs anti-veganos. O autor é um macho branco classe média revoltz pra caralho. Ele não liga pra nada, ele não tem empatia, “ele come picanha porque acha bom”, e não tá nem aí! Não é empolgante?

Não é porque eu sou um homem branco que eu tenho privilégios, ora essa!

Na letra, temos maravilhas como “quem não gosta de chuleta não deve gostar de buceta”, “enfia o seu hommus bem no meio do rabo” e claro “minha comida caga na sua”, a máxima preferida de 9 entre 10 pessoas que tem orgulho de comer coisas que cagam – e também fazem tanta noção dos meios de produção do seu “alimento” que possuem convicção na teoria de que o pasto e a horta são a mesma coisa, confinamento de animais não existe, e os bois na verdade cagam nas alfaces. Oi?.

 Seria apenas mais um grande “ZZzzZZZz” reacionário da Interwebz, mas o que incomoda são os seguidores. Legiões de desinformadxs aplaudem o discurso de ódio e apatia pregado. É muito descolado ser macho, tr00hardcore e entupir as artérias de bacon, porque animais são burros e feitos pra nos servir. Nós sim somos superiores, e é nosso direito explorá-los até o tutano.

Sabe, na história a gente já viu muito esse discurso. “Preto não tem alma, então vamos explorar para o nosso benefício”. “Mulheres são irracionais e histéricas, logo só podem ter utilidade enquanto nos servem”. “Homossexuais são anti-naturais, vamos queimá-lxs e estuprá-lxs”.
Eu realmente não vejo diferença nenhuma. Quando você incentiva o consumo de derivados de exploração, está defendendo a tortura, exploração, humilhação, privação, estupro  e morte de bilhares de vidas.

Homofobia e misoginia são mascaradas pelo sagrado humor, então nada pode ser questionado. Nos primeiros cinqüenta segundos de um outro vídeo – também com a participação do indivíduo citado anteriormente – vemos uma pilha de carne de embrulhar o estômago. Uma voz máscula sugere “tratar a carne como trata a sua noiva”, e segue golpeando com socos o montinho de matéria morta.

Que engraçado. Enquanto mulheres e homossexuais morrem diariamente graças a esse tipo de cultura e bilhões de animais são torturados até o fim para engordar o colesterol do sangue humano, eu sou obrigada a rir de quem incentiva isso, senão a problemática serei eu.

Tá certinho! Bebe ae!

Empatia é a capacidade de solidarizar com aquele que não você. A compaixão de não desejar sofrimento e tortura para seres sencientes, humanos ou não. A vontade de transformar o mundo em um ambiente melhor em todos os aspectos possíveis é de intrínseca relação com a solidariedade.
Tais sentimentos são menosprezados por quem escolhe se trancar em um carro, entupir o mundo de monóxido de carbono e congestionamento, suas artérias com gordura animal, ignorar as lutas daqueles que são historicamente oprimidos e se isolar em seus privilégios. Chamar a todxs aquelxs que apresentam alternativas de vida positivas de “chatos, broxas e radicais” é muito cômodo para quem não quer perder seu topo na “cadeia alimentar”. Para essa gente que usa ambientes como a selva, o sertão e a miséria como justificativa para seus hábitos alimentares de supermercado e condomínio de luxo, a vida anda muito fácil e engraçadinha, e toda essa militância é um grande e chato exagero.

Incrível perceber a reação violenta dessas pessoas quando diante do discurso vegetariano. Se sentem ameaçadas, apesar de serem as maiorias no mundo, e vêem uma necessidade épica de confronto e ridicularização, já que são incapazes de compreender uma luta por aqueles que não podem se defender.

 Entristece saber também que mesmo x mais engajadx de determinado movimento possa não enxergar a relação entre sexismo, racismo, especismo e homofobia. Ou então perdoar determinadas condutas. Por exemplo, não admitimos racismo, mas toleramos xs milhares de especistas com quem convivemos.
E meu ponto não é dizer que militantes da causa animal sejam perfeitos, pois não são. Conheço boas dezenas de veg’s sexistas e homofóbicos. E isso me incomoda. Incomoda relativizar e menosprezar as lutas dos movimentos só porque você “não liga”, porque “tem coisa mais importante” pra se preocupar enquanto vidas são ceifadas.
Porém, de todas as formas de opressão e violência, a mais relativizada ainda é a cometida contra os não-humanos.
Abandonar uma criança é de infinita importância, porém abandonar ou matar ninhadas inteiras de filhotes é só um ato.

Fazer piada com o sofrimento de uma vaca é um clássico, assim como comparar o Reino animalia com o Reino plantae, jurando que são todos iguais, e que os “ecochatos” estão errados.

A vida humana é sempre infinitamente valorizada, sobretudo se for uma vida branca, masculina, bem sucedida financeiramente, heterossexual, cristã, onívora e motorizada. Essa é a vida com maior poder de consumo, de giro de capital. O resto? O resto é produto, prezadxs, usem como quiserem. Quando cansarem, joguem fora no lixo orgânico.

O que tem no seu leite, além de estupro e sofrimento? Pûs, colesterol, hormônios...

Se quer se informar mais sobre os muitos mitos anti-veganos, ou para parar de emitir opiniões que fariam corar de vergonha a uma criança de quatro anos de idade, recomendo os seguintes artigos:

F.A.Q Vegan.

Não Quero ser Uma Ativista Limpinha e Cheirosa, guest-post também da Deborah, na Lola

Documentário Terráqueos. A verdade documentada sobre as indústrias da exploração animal.

Deu fome? Não tá afim de beber pus com antibiótico e comer sangue? Vem!

Entenda mais sobre Creofilia e Sociopatia.

Anúncios

176 Respostas to “Onívoros: A Minha Empatia Caga Na Sua.”

  1. iskiebae julho 12, 2011 às 6:52 pm #

    Eu sou ateu, não sou racista, nem homofóbico, pelo contrário, adoro homossexuais. Mas vegano é uma raça chata pra caralho.

    É o seguinte: eu sei que animais morrem e sofrem para que eu possa consumí-los. E eu acho sim que é totalmente horrível. É cruel, malvado, mas eu não ligo. Porque eu gosto do sabor da carne. Gosto de colocá-la na minha boca e mastigar. Não me importa se ela faz bem ou mal pra minha saúde, adoro degustar um cadáver mal passado. Maminha na manteiga, costela. Coração de galinha, então, nem se fala: pra comer um espetinho de dez, você sabe que dez galinhas morreram pra satisfazer a sua fome. É uma delícia!

    • krasis julho 12, 2011 às 7:09 pm #

      E vegan que é chato e troll. Dahora.

      • iskiebae julho 12, 2011 às 7:12 pm #

        Hein?

    • Bruna julho 16, 2011 às 3:10 pm #

      Lembrei de um trecho de matrix, que o traidor prefere sentir a ilusão do gosto da carne e não comer a gororoba dos colegas da matrix o.o
      #tenso

      • Bruna julho 16, 2011 às 3:13 pm #

        (*meu comentário era para o iskiebae*)

    • Hadan Felipe Porfírio julho 19, 2011 às 3:08 pm #

      Vegetarianos são um porre quando passam a comparar-nos a “assassinos-monstruosos-insensíveis”. Se preferem se abster de animais ou derivados dos mesmos, ótimo. Mas quando partem para o ataque pessoal, como se praticássemos uma atrocidade é um porre. Continuem chorando. Não vou deixar de comer meu filé por conta disso.

      • Súlivam Sena outubro 20, 2011 às 3:45 pm #

        Aham, vocês comentem uma atrocidade.

    • rita amorim julho 22, 2011 às 12:22 am #

      O direito de matar um veado ou uma vaca é a única coisa sobre a qual a humanidade inteira manifesta acordo fraterno, mesmo durante as guerras mais sangrentas. Esse direito nos parece natural porque estamos no topo da hierarquia. Mas bastaria que um terceiro se intrometesse no jogo, por exemplo, um visitante vindo de um outro planeta a quem Deus tivesse dito: “Tu reinarás sobre as criaturas de todas as outras estrelas”, para que toda a evidência do Gênese fosse posta em dúvida. O homem atrelado a uma carroça por um marciano, eventualmente grelhado no espeto por um habitante da Via Láctea, talvez se lembrasse da costeleta de vitela que tinha o hábito de cortar em seu prato e pediria (tarde demais) desculpas à vaca. [2]

      “A INSUSTENTAVEL LEVEZA DO SER” (Milan Kundera) ISSO EU QUERIA VER !!! QUE ARGUMENTOS VCS TERIAM PRA ISSO>> RS

      Guest
      Iniciar Sessão

      • krasis julho 22, 2011 às 2:47 am #

        aUHAuhaUHAuaHU muito bom!! curti o verso!

        Realmente daria um ótimo guest post, caso se interesse, mande pra gente a proposta.

      • Mauri fevereiro 24, 2012 às 4:01 pm #

        Moscas são comidas por sapos, sapos por cobras, cobras pos aves de rapina. É a natureza. Somos infinitamente menos cruéis (em média) que vespas que alimentam suas larvas com aranhas vivas por semanas. E se um tigre ou leão mata e devora uma pessoa (e o faz se puder) sabemos que é natural, mesmo que trágico. Não defendo que nos alimentemos sem consciência nenhuma nem que provoquemos o sofrimento desnecessário. Mas matar para comer é a lei da natureza. Comer carne não é cultural, é natural. E matar ratos? Baratas? Que direito tem uma vaca que não pode ser compartilhado por uma ratazana de esgoto? Não é humildade ser vegetariano e sim uma posição em que se demosntra empatia com algumas espécies e não com outras. Além do mais, estudos sérios e independentes não chegaram a conclusão de se uma dieta equilibrada precisa, não precisa ou não pode conter carne (ou outros derivados de animais). Continua-se pesquisando com resultados inconclusivos. E a indústria da soja não é menos poderosa que a da carne. Nem dos suplementos nutricionais. Devemos continuar as pesquisas científicas com cobaias animais e devemos descobrir definitivamente se a carne é boa ou má pra saúde e devemos ser humildes para entender que somos porte da natureza e não estamos acima dela.

      • krasis fevereiro 25, 2012 às 4:58 pm #

        Olá, concordo plenamente com seu discurso sobre a natureza, os processos naturais e etc, mas lhe convido a viver no meio urbano, onde atropelamos ecosistemas com nossos meios de produçao, tao “infinitamente menos cruéis”, como vc mesmo disse.
        Quem disse que ser vegan ou vegetariano acaba com todo sofrimento planetário? É uma escolha baseada em ética, pelo direito animal, de nao explorar, torturar, encarcerar e etc. pois, de certa forma, somos a especie que mais tortura tudo nesse planeta, quase que de maneira prazerosa e doentia, pois vc nao vê um rato enfiando espetos na sua cabeça e pedindo pra vc correr num labirinto.
        Não é humildade ser vegetariano, é ser consciente do que acontece a sua volta, nao somos livres de exploraçao, só ver da onde vem o seu tenis, roupa, computador, telefone e tal, exploramos a nós mesmos e também outros seres que mal podem se levantar contra nossos chicotes.
        Sobre ratos, baratas, pernilongos e etc, há maneiras de minimizar isso sem ao menos matá-los, te pergunto, porque o rato, barata e tal vive no meio urbano e entre nossas casas? Pq Deus quis que não é…..pq eles escolheram um lugar quentinho? ou pq é um meio de sobrevivência mais compatível que o anterior deles?
        Repito pela enéssima vez, vegetarianismo nao defende a vida, o universos e tudo que há nele, se fosse assim, pq nao defender as bactérias, vírus, vermes, príons….? também são seres vivos e matamos bilhoes deles todos os dias ao respirar, andar, falar, comer…Veja que nao estamos livres da morte em geral, mas daí vem aquela famosa frase “entao pra que ser vegan, já que tudo é uma bosta, tudo morre e creu?” A resposta é, se mate e livre-se do sofrimento e mesmo assim nao mudará quase nada, mas como nao somos corajosos o suficiente, pq nao minimizar o sofrimento?

        O que tem a ver a industria da soja? Nao é uma luta da substituiçao da soja pela carne e também o vegan nao se alimenta apenas disso, só olhar a tabela de alimentos vegetais que existem no mundo que verá que a soja é apenas mais um nessa lista.

        Fiquei intrigado com esses “estudos sérios e independentes”, coloque a fonte desses estudos, pois pra mim parece apenas um reforço para reafirmar um discurso vazio, achismo.

        Pq devemos continuar com pesquisas com cobaias? Em nome do progresso humano, mas e o animal que tem uma agulha no cu dele, isso é um progresso pra ele?

        ” Nos EUA, mais de 70% das faculdades de Medicina não utilizam animais vivos, enquanto que na Alemanha – segundo a professora Júlia Maria Matera, presidente da comissão de bioética da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da USP – nenhuma instituição o faz (boletim Notícias da Arca – Informativo Arca Brasil – Associação Humanitária de Proteção e Bem-Estar Animal, número 03, 2001). Várias diretrizes da União Européia foram firmadas com o própósito de abolir os testes com animais, dentre eles o terrível DL 50. Trata-se, portanto, de uma tendência mundial, em que a preocupação com o bem-estar dos animais de laboratório provoca discussões éticas no meio acadêmico e científico.”

        http://www.pensataanimal.net/index.php?option=com_content&view=article&id=302:experimentacao-animal-historico-implicacoes-eticas-e-caracterizacao-como-crime-ambiental&catid=49:vania-rall&Itemid=1
        Em um outro artigo, que agora nao me recordo o nome, o biólogo Sergio Greif da Unicamp, explica e demonstra uma série de experimentos alternativos e de maioria gringos, ao não uso de animais em pesquisas cientificas, tanto que na Europa, são quase 90% das faculdades já nao usam animais em nada.

      • Mauri fevereiro 24, 2012 às 6:35 pm #

        Sou ateu, então o direito divino não faz parte do meu conjunto de crenças. Mas a questão de tratar as outras espécies como a sua própria espécie me parece um tanto arbitrário. Até que ponto você vai para defender o direito animal? Quem faz passeata contra o extermínio violento e doloroso de ratos e baratas? Quem acha que pode produzir alimentos sem matar? Formigas, borboletas, percevejos, ratos e pássaros são mortos para produzir vegetais. O que vejo é que os onívoros têm uma indiscutível vantagem evolutiva sobre os herbívoros ou carnívoros. Defender animais “fofinhos” é fácil. Quero ver defender as pulgas e carrapatos, os gafanhotos, as ratazanas… ou todos os animais partilham dos mesmos direitos ou não comer carne não é muito diferente de comer carne. Ratos são inteligentes, tem grande senso de comunidade, não pediram para ser vetores de doenças e simplesmente os exterminamos com venenos a base de arsênico que causam muito sofrimento. Cadê a leveza? É mesmo insustentável…

      • krasis fevereiro 25, 2012 às 5:16 pm #

        Nao entendi o fato de ser ateu com o lance tratar ou nao uma especie.
        Mas assim, nós humanos não somos da mesma especie que um rato e vice-versa, portanto nao é tratar igual, mas sim ter noçao de que somos diferentes. Só pq somos humanos temos o direito de explodir o planeta? isso é um tanto bizarro, muitas pessoas concentram o ego no próprio umbigo e assim acham que pq somos dotados de “razao e inteligencia” podemos sair atropelando tudo que vem pela frente sem perguntar nada.
        “Quem faz passeata contra o extermínio violento e doloroso de ratos e baratas? Quem acha que pode produzir alimentos sem matar? Formigas, borboletas, percevejos, ratos e pássaros são mortos para produzir vegetais.” Vejo que vc lembra das aulas de biologia, só que com alguns problemas pedagógicos. Como disse no outro comentário, veganismo nao defende a vida e o universo, isso é meramente impossível, oq se faz é tentar minimizar o sofrimento de animais, e sim, isso tbm inclui ratos, baratas, percevejos, borboletas e etc (sim, veganismo também é sobre eles! Existem muitos métodos alternativos para afastá-los, ao invés de exterminá-los em seu reino doméstico), mas as passeatas sao baseadas em um negocio extremamente visível e cotidiano, exploração da carne, por exemplo, mas isso nao invalida que o discurso nao defenda outros animais, mesmo sendo insetos, isso é apenas uma questao de informação.
        Ratos nao pediram para nascer e terem que sobreviver dentro de galerias de concreto, cheias de lixo humano que é a única fonte de sobrevivência deles, cadê a leveza, cadê a natureza? cadê o capitao planeta?
        O que eu acho incrível é a capacidade de vir meter o dedo na cara de um vegetariano e falar “olha uma joaninha morreu ali, cadê seu direito animal?” e esse mesmo questionador nao mexe um fio de cabelo pra fazer algo, mas gosta de ficar sentado no trono questionando os que tentam fazer, mesmo que seja o mínimo. Isso pra mim é ser mais do que insustentável, é ser apático.

        Ainda sobre a evolucao do “superior homem carnivoro”, esse artigo resume.

    • Sandro Caldas (@Sandroxp) agosto 8, 2011 às 3:03 pm #

      Acho que se você é uma pessoa consciente, como demonstrou, e se mesmo confrontando essa consciência com sua ética pessoal você continua firme na sua decisão, então não vejo o que há pra ser discutido aqui, ninguém pode dizer que você está errado. Mas eu poderia pedir pra você fundamentar melhor seu ponto de vista.

  2. Lu julho 12, 2011 às 6:59 pm #

    Caríssima, simplesmente adorei seu texto! =D

  3. The Reason julho 12, 2011 às 7:06 pm #

    Então significa que você não anda de carro ou ônibus pra não poluir a atmosfera?

    Você sabia que inúmeras áreas de plantação eram antes florestas exuberantes fervilhando com vida? Vida essa que foi… “ceifada”, para você comer seu alfacinho e seu açúcar orgânico.

    Humanos são onívoros e deveriam comer tanto carne quanto plantas, mas só pra adicionar um contra argumento, você sabia que humanos podem comer SÓ CARNE?

    http://inhumanexperiment.blogspot.com/2009/09/two-brave-men-who-ate-nothing-but-meat.html

    Você não quer ser responsável pelo sofrimento alheio? Então não tenha nada de madeira, já que ela um dia foi uma árvore abrigando vida animal.
    Não use nenhum produto derivado do petróleo, pois ele é prejudicial ao meio ambiente de várias formas desde sua extração até sua produção. Consequentemente, você está terminantemente proibida de usar todo e qualquer plástico!
    E a eletricidade? Até a nossa brasileirinha hidrelétrica prejudica o meio ambiente, foi e é responsável por uma alteração drástica no ecossistema.

    E quanto ao seu tênis, as peças do seu computador ou até seus produtos cosméticos?
    Resultado de trabalho quase escravo na China ou algum produtor em massa barato.

    VOCÊ É INDIRETAMENTE RESPONSÁVEL PELO SOFRIMENTO DE MILHÕES.
    aceite.

    • krasis julho 12, 2011 às 7:10 pm #

      AI MELDELS, CEJURA? PERA, vou repensar toda a minha vida! Sério que se eu não viver no meio do mato o fato de eu não consumir derivados DIRETOS e ALTAMENTE SUBSTITUÍVEIS de origem animal eu não serei uma militante tr00?
      Obrigada, sábio creófilo! Você sim deve fazer uma grande diferença para o mundo! S2S2S2S2

      • The Reason julho 12, 2011 às 7:12 pm #

        Seu sarcasmo barato só prova que eu estou certo.

      • krasis julho 12, 2011 às 7:14 pm #

        Adoro suas conclusões. Fale mais, oh voz da sabedoria de infinitamente inovadores comentários!

      • The Reason julho 12, 2011 às 7:17 pm #

        I rest my case.
        LOL

    • krasis julho 12, 2011 às 7:23 pm #

      Outra pessoa do Krasis:

      Veja bem, veganismo nao se trata de “salvar o planeta” e sim contra a exploração animal que nós humanos praticamos, a troco de um privilégio gastronômico.
      Há diversas lutas que permeiam todos esses assuntos abordados por você e esse texto, porêm aglomerar todos em cima do veganismo é um tanto ingênuo e ridículo, saiba discernir uma coisa de outra antes de julgar precipitadamente.
      Todos somos indiretamente responsáveis por bilhões de coisas, até pela morte de um milhão de bactérias ao pisarmos no chão, e o que podemos fazer a cerca disso? possivelmente nada, mas oq podemos fazer a respeito de 10mil cabeças de gado confinadas num espaço escuro ou aberto, mergulhadas em bosta, tomando choques e tiros de compressão de ar, degoladas ainda vivas, dentes e bicos arrancados sem anestesia, castração com alicates ainda bebês, constante estupro para garantir leite e etc.? Bem, diria que isso daria pra ser evitado.
      Muitas pessoas defendem o consumo de carne com muita comodidade mas se um matadouro tivesse suas paredes de vidro e fossem localizados nos centros das cidades, aposto que muitos repensariam o que acontece ali e olhariam para seus pratos com uma certa angustia e dor de cabeça.

      • Raphael julho 16, 2011 às 5:56 pm #

        E os vegetais não têm vida? Eles não são explorados também? Não sofrem maus tratos também? Diferente dos animais, eles sequer podem gritar ou se defender…

        A forma como os animais são mortos em alguns lugares (existem lugares matam de forma “correta”) é ultrajante e concordo que eles deveriam ser tratados com mais respeito, tanto em vida quanto na hora de seu sacrifício.

        Mas temos de comer algo para sobreviver, pode parecer cruel mas não é: é a vida…

      • krasis julho 18, 2011 às 6:03 pm #

        Vegetais nao possuem sistema nervoso assim como animais e portanto não são seres sencientes (capazes de possuir sentimentos ou dor).
        A forma com que matam os animais não importa, é morte e exploração de qualquer maneira…seja ela bem-estarista (como o boi-verde) ou tradicional, portanto não existe a “morte correta”.

        Sim, temos que comer algo para sobreviver, isso é fato, mas nós humanos podemos escolher o que por pra dentro.

      • oi julho 17, 2011 às 5:36 pm #

        Quem sabe lutar por uma melhora na forma de produção de certas coisas, não seria mais adequado? Realmente nunca pesquisei sobre o assunto, por isso da pergunta. O que ocorre é que as grandes corporações perderam, há muito, seu senso de ‘humanidade’, digamos assim. Não enxergam o outro como SER, que sente, sofre, mas sim como PEÇA ou PRODUTO. O que quero dizer é que realmente sou contra a CRUELDADE com que são feitos estes procedimentos, mas ainda acredito que lutar pela abolição da dieta da carne/ovos/leite não seja a solução. Carne continuará a ser importante na dieta de certos seres, e não se pode generalizar que NENHUM ser humano precise de carne. A perigo de ser apedrejada aqui, me cito como exemplo. Eu tentei o veganismo, mas simplesmente não consigo não comer carne. Me falta algo, pois a quantidade de comida não derivada que como é pequena (tentei outras opções, mas me dão ansias e me fazem passar mal). E mesmo assim conheço pessoas que não comem carne simplesmente por não gostar, preferem uma salada.
        O que quero dizer é que, comer carne é um comportamento natural, a anti-naturalidade reside na transformação da carne em simples produto, na inferiorização dos animais em prol de um mercado. Quem sabe a conscientização deva partir do ponto de enxerga-los como seres com sentimento, assim como devemos enxergar o morador de rua, o negro, a mulher e o homossexual. Somos uma geração egoista e gananciosa, e a luta no fim deveria ser contra isso.

      • krasis julho 18, 2011 às 4:03 pm #

        Oi!
        Então, há uma certa medida em questões do que é “natural” e não-natural. Não podemos comparar por exemplo, um animal selvagem que está em seu ambiente que lhe proporciona apenas algumas alternativas: caçar, comer algo morto, comer algo das arvores ou solo. (estou simplificando). Mas comparado a nós seres humanos, temos a livre opção de escolhe em CRIAR nossos alimentos, ou seja, a partir do momento que temos este poder, ele torna-se artificial. O conceito de agricultura por exemplo, é artificial, não estou querendo dizer que as plantas são artificiais, pois há o processo natural de crescimento, mas a simples ideia de juntar um hectar de terra e enfileirar sementes, cultivar e colher é artificial. Sacou? Portanto, muitas pessoas confundem o que é um processo natural de um artificial, começando a dizer coisas como “é natural comermos X e Y” mas é difícil afirmar o que é natural, pois natural mesmo é sair pelo meio do mato pelado e caçar o proprio animal com as mãos. O ponto é, o cativeiro de animais e sua exploração até o tutano torna-se a simples transformação e “coisificação” de um ser para um produto, como você mesmo menciona, ou seja, o animal torna-se um simples objeto livre de sentimentos ou emoções, negligênciamos essas condições para um “bem maior”.
        Concordo muito com o que você disse sobre conscientização, pois é exatamente isso que um veggie tenta mostrar em relação aos animais, que não tem a “voz” para se defenderem.

      • Raphael julho 18, 2011 às 1:02 am #

        Prazada “Oi”,

        fico feliz em ler algo não-extremista!

        Concordo com tua forma de pensar. Não acredito que radicalismos resolvam qualquer coisa, sempre deve haver um meio-termo. Não considero válido esses pensamentos “vou dar dignidade aos animais se não comer carne” tão pouco “que se f*d*, to nem aí para o que acontece com os animais, só quero comer”. É como discutir qual religião está certa…

        Da mesma forma que tu, já tentei ficar sem comer carne, minha meta era 1mês, mas não passei da 2ª semana…

        Acredito que deve existir uma forma mais digna de tratar os animais. E conseguiríamos isso se nos focássemos nisso. Para isso precisa existir pessoas especializadas no assunto.

        Quando entrei na faculdade de Química, nanotecnologia era um assunto que engatinhava, hoje já existe muito material publicado acerca. Se começar a surgir debates sérios a respeito de “manejo sustentável”, em breve existirão trabalhos e em poucos anos isso estará em prática. Mas para isso, alguém precisa “abraçar a causa”.

      • Hadan Felipe Porfírio julho 19, 2011 às 3:23 pm #

        Eu já vi tudo isso que você falou pessoalmente e continuo comendo sem nenhum remorso. De fato, sacanear o animal é covardia, mas dá prá fazer a engorda e o abate quem que o mesmo sofra. Já vi métodos muito interessantes de confinamento sem que o animal se estresse ou sofra, inclusive na hora do abate.

      • krasis julho 20, 2011 às 12:31 am #

        Isso de “fazer a engorda e depois o abate sem que o mesmo sofra” se chama Bem-Estarismo, ou seja, você dá uma vida “livre” para o animal caminhar, enche o potinho de ração dele e o trata com muito carinho, mas o que se questiona é : Livre em que sentido? O animal ainda está sendo explorado para um “bem maior” , que no caso somos nós humanos, é apenas uma exploração mais bunita e menos tortuosa, mas com um final absoluto de servir ao seu superior humano. Talvez seria algo como uma prisão super legal e no final você morre de qualquer jeito. Uma falsa ilusão de liberdade em troca de um bem estar menos culposo…..menos culposo? como assim?
        Ué, pq vegetarianos são um porre? A exploração pela carne nao é com você e nem comigo, você não nasce dentro de uma jaula e termina dentro de uma bandeija. Se você não se importa, ok! Ninguem tem a obrigação de pegar na mão do outro e forçá-lo há fazer algo. Algum vegetariano já te afrontou na rua, trabalho, escola, restaurante, casa e te humilhou pq come carne? Acho que não né!
        Vou dar um exemplo pessoal disso (não estou generalizando). Exatamente HOJE, fui motivo de humilhação gratuita DO NADA em meu trabalho por ser vegetariano, isso pq NUNCA cobrei, falei, preguei, forçei, informei, panfletei ou qualquer coisa do tipo sobre vegetarianismo para ninguem do meu trabalho, mas os mesmos sabiam que eu o era e pronto. Tive que aguentar dezenas de piadas e trollagens ridículas a troco de que? Eu nunca abri a boca para ninguem sobre o que eu deixo ou nao de comer e sou obrigado a engolir que somos um bando de alfacistas fracotes amadores de bichinhos? Tá e daí? Recebi humilhação gratuita pq não como um pedaço de carne? Kramba, se chegamos a esse nível de convivência, sem ao menos abrir a boca para falar….e já sermos julgados por escolhermos algo que achamos um pouquinho mais ético….fudeu. Por isso que eu disse…não entendo o nervossísmo contra vegetarianos, ninguem coloca o brócolis na sua boca…aliás, o arroz e feijão que compoe o prato do dia a dia não é feito de carne, muito menos o pãozinho frânces é feito de bacon ou a cerveja que amam é feita de banha. O próprio onívoro consome constantemente vegetais e quando se fala em “já pensou em tirar o bife e o ovo”…a pessoa responde que não tem mais nada no prato e você está sendo um veggie que enche o saco!!! WTFBRASIL??

      • Súlivam Sena outubro 20, 2011 às 3:49 pm #

        Boa, Krasis!

    • krasis julho 12, 2011 às 7:41 pm #

      Continuando mais um pouco…

      “Humanos são onívoros e deveriam comer tanto carne quanto plantas, mas só pra adicionar um contra argumento, você sabia que humanos podem comer SÓ CARNE?”

      Humanos não são prioritariamente onívoros, podemos ESCOLHER o que consumimos, e apresentar um argumento determinista de que TEMOS que comer carne é um tanto questionável.
      Não, eu não sabia que podemos comer SÓ CARNE! Que eu saiba, algumas tribos Africanas que consomem apenas carne, apresentam diversos problemas nutricionais, vide aquelas crianças barrigudinhas e desnutridas, pois como toda pessoa no mínimo informada sabe, é que um ser humano necessita de diversos nutrientes para manter seu organismo funcionando e a carne não apresenta todos eles. Portanto, esse tipo de argumento é um tanto errôneo e suicida, faço o convite de apenas se alimentar de carnes e tentar ficar 1~2 meses assim, depois fazer um exame nutricional para ver no que dá, no mínimo ficará um pouco pior do que o cara do Super size me.

      Sobre os outros comentários como Eletricidade, produtos plasticos, computadores e etc. Como falei anteriormente, há outras lutas que tratam disso, mas é um tanto afobado e comodo aglomerar todos os problemas do planeta em cima do veganismo.
      Se você se intitula como ” A Razão”, deveria saber disso no mínimo, que aliás, razão é o que menos falta em seus argumentos absolutistas, pois não apresenta ao menos uma lógica concreta de pensamento e já conclui algo como verdadeiro sem ao menos verificar suas causas.

      • The Reason julho 12, 2011 às 7:49 pm #

        Você claramente não leu a matéria que eu deixei, consequentemente seu argumento é inválido.

        Outra coisa, eu não ligo de ver animal morrendo, meu estômago não é sensível, inclusive já matei pra comer e não tive remorso.

      • kelly julho 12, 2011 às 7:55 pm #

        se você escreveu este texto, desculpe-me mas, foi você em primeiro lugar que se afobou e misturou os problemas do planeta com o veganismo que (acho) era pra ser o assunto.

        então saiba discernir ;D

      • Marcos julho 19, 2011 às 12:09 am #

        As crianças “barrigudinhas” que tu fala sofrem de Kwashiorkor. Diga-se passagem, acredita-se que a causa principal seja a deficiência de proteínas, coisa que não se obtém comendo arroz. Pense que nem todo mundo pode se dar ao luxo de escolher criteriosamente o que come e gastar boa parte do seu dia preocupado com isso.
        Acho curiosa a comparação de vegans com homossexuais e negros, como se os primeiros sofressem o mesmo tipo de violência. Fui vegetariano muito tempo e nunca deixei de ir a um churrasco. No máximo precisava ficar insistindo que não queria carne. Por outro lado, quando frequentava um restaurante vegetariano estrito, na minha cidade, e em certo momento a dona começou a grelhar peixe para uns amigos e para mim, os clientes reclamaram e ela teve que parar de fazê-lo.
        Sim, eu concordo que os animais sofrem e que os criamos para banquete. Não é bacana.
        Mas antes comer um bifinho do que a arrogância de apontar o dedo para cada um que não age como eu acho que deveria.

      • krasis julho 19, 2011 às 12:48 am #

        Pois é, a Kwashiorkor é uma doença que existem várias explicações para o aparecimento e o seu desenvolvimento. Além de uma deficiência protéica é também composta por deficiência energética e de nutrientes necessários ao ser humano, como o Ferro, iodo, vitaminas A, C, D , E, ácidos fólico e por aí vai, além também da falta de antioxidantes, necessários para manutenção das células. (todos elementos citados é mais fácil e abundante encontra-los em frutas, legumes e verduras do que em um pedaço de carne) Portanto não é apenas o arroz que comemos, aliás, nem sei da onde você tirou essa comparação bizarra entre Carne Arroz.
        Claro que naquelas situações, das crianças subnutridas, realmente não se pode dar ao luxo de escolher o que comer e muito menos falar para serem vegetarianas!! Em nenhum momento ou discurso o veganismo diz que “os que passam por necessidade extremas de fome e sobrevivência não devem comer carne”, pois se há uma necessidade de sobrevivência, os critérios éticos do que é “certo ou não” comer, são os primeiros a serem deixados de lado. MAS em nosso caso, em nosso meio urbano “confortável” e empregatício, temos essas escolhas. Claro que sempre vão falar “mas e os mendigos, miseráveis e etc?” se você souber reconhecer ao mínimo, que os problemas sociais que enfretamos e presenciamos são questões do Estado + Capitalismo, ao invés de jogar todo peso dos problemas acima do discurso vegetariano, verá que o problema tá bem mais no topo da pirâmide do que se imagina.
        Não entendi a sua ideia “Sim, eu concordo que os animais sofrem e que os criamos para banquete. Não é bacana. Mas antes comer um bifinho do que a arrogância de apontar o dedo para cada um que não age como eu acho que deveria.”
        Se você concorda que há sofrimento animal, é mais fácil concordar com isso comendo o bifinho do que entender a causa? Por que é mais cômodo ou pq é uma luta difícil demais de entenderem?

  4. Nathália Malvar julho 12, 2011 às 7:37 pm #

    Ow, Esther, vamos viver peladas no meio do mato, caçando, já que humanos são onívoros, lutando no dente com leões, esfregando pedra para fazer fogo e zazZzzZzZZzzzz
    Porque o certo mesmo é essa gente acéfala que não faz diferença no mundo ditando regras para as causas e vidas alheias <33333

    • kelly julho 12, 2011 às 7:42 pm #

      er, e que diferença VOCÊ tá fazendo no mundo? ;/

  5. The Reason julho 12, 2011 às 7:38 pm #

    “Veja bem, veganismo nao se trata de “salvar o planeta” e sim contra a exploração animal que nós humanos praticamos, a troco de um privilégio gastronômico.”

    Plantação de vegetais não são considerados privilégios gastronômicos?
    Mesmo que tenham sido áreas desmatadas?
    Eu pensei ter falado isso… ou estou tendo algum aneurisma?
    Vou precisar mesmo ficar me repetindo?

    • krasis julho 12, 2011 às 7:50 pm #

      Há uma pequena diferença entre privilégio e necessidade.

      O preço de custo de 1 KILO de carne são necessários 10mil M² de mata desmatada, 15mil Litros de água, 250km de automóveis poluentes para transporte. ( A fonte é da Sociedade Vegetariana Brasileira)
      Portanto a “mata desmatada para nosso privilégio” é composta mais por PASTOS e campos de grãos para alimentar milhões de cabeças de gados (é muito fácil achar esses dados, basta usar o bom senso e o google). SE este espaço fosse utilizado para justamente plantar alimentos, seria suficiente para alimentar todas a nações do planeta, pode parece um tanto utópico, mas se usar da matemática básica de adição e somar todos esses valores citados acima + a quantidade de pastos existentes pelo mundo, o resultado é um tanto assustador e a conclusão é de que, sim, isso é sustentar um privilégio insustentável.

      • The Reason julho 12, 2011 às 7:55 pm #

        Mais desmatamento, menos desmatamento… to-MAY-to, to-MA-to…

        Alimentar todas as nações do mundo sem controle de natalidade, é, é uma ótima idéia vegan, uma ótima idéia. Prêmio Nobel para você.

    • krasis julho 12, 2011 às 7:59 pm #

      Eu li a matéria, mas sinceramente me parece um tanto escassa de provas, além de que trata-se de uma exceção e não podemos tornar uma exceção a regra universal, não é mesmo Sr. Razão? (fico um tanto desconfiado desse nick…pois é um tanto incoerente pela análise de seus argumentos absolutistas).

      Pouco me importa se você em particular não sente algo ao matar algum animal, isso é um problema seu, mas se seguir essa lógica do Sr. da Razão, poderia matar seus filhos e não sentir nenhum remorso por isso, afinal não tenho o estômago fraco para isso.

      • The Reason julho 12, 2011 às 8:07 pm #

        Comparar seu filho com uma galinha…

        Ah e outra coisa, você insinuando que eu não faço diferença pro mundo?

        Eu sou professor.

    • Milena julho 18, 2011 às 1:33 am #

      Vegetal não tem sistema nervoso. E eu nunca ouvi falar em alface plantada em área desmatada, que eu saiba fazem isso é com grandes monoculturas como a da soja que aliás serve em sua maior parte como RAÇÃO PRA GADO.

      • Smultronstället julho 21, 2011 às 5:40 pm #

        Voces discutem algo que apenas existe no ocidente, no ‘mundo ocidental’ (nao exatamente ocidente, mas o modo de vida capitalista que já chegou ao mundo todo). Valem-se de provas que apenas mostram aquilo que voces querem ver! E falo isso para ambos os lados. Que tal deixarmos a ciencia de lado? ELA NAO É A VERDADE ABSOLUTA! De que realmente me importa saber que as plantas nao tem sistema nervoso? Caso vivêssemos num mundo sem ciência – imaginemos no século XVI – isso mudaria nossa maneira de tentar viver? Da maneira de nos alimentar?
        Nossa sociedade está inteiramente errada, pois vivemos num mundo artificial, distante do meio natural! As cidades nos levam cada vez mais longe disso. Entao nada de pregar que vegetarianos são mais naturais que os que comem carne, pois ambos nao poderiam estar mais longe do natural! Vegetarianos que se alimentam de produtos vendidos em supermercados, por mega empresas, sao igualmente, digamos, hipócritas. E me incluo nessa, antes de mais nada.
        O discurso vegetariano logo logo será incorporado pelo capitalismo, virando produto! Assim, num futuro imaginavel, o vegetarianismo seria o novo ‘carnivorismo’. Desmatariamos incrivelmente mais florestas para termos plantas, enquanto a minoria seriam os bois. E aí? E quando isso acontecer?
        Comemos carne demais. Num ambiente natural, ao longo da evolução humana, refeições com carne sao raras! A caça é dificil. Mas voces defendem causas que nao sao ‘naturalmente possiveis’. Imagine-se vivendo no norte da finlandia, em que nao se existe terra cultivavel. O que resta para se alimentar? E nao diga que lá eles nao tem opção. Todos tem opção.
        ALIMENTAÇÃO É CULTURAL! NAO VÁ CONTRA A CULTURA.

        Infelizmente, o problema atual é que nao existe mais cultura. O capitalismo transformou todas elas em algo unico: a alimentação brasileira é tao igual quanto a alimentaçao americana. Bem como a inglesa. ISSO SIM É ERRADO!

      • krasis julho 21, 2011 às 7:22 pm #

        Só no ocidente? mas e o oriente? Lá é até mais difundido do que aqui!!
        Como assim mostramos aquilo que apenas queremos ver? Como já disse em outro comment, vá num matadouro, não estamos inventando nada, mas demonstrando fatos.
        DEIXAR A CIÊNCIA DE LADO?? Kra, desculpe perguntar mas, em que mundo você acredita? Um de meio termo entre ciência e teologia? Se deixarmos a razão e ciência de lado, estamos a mercê do achismo, dá ignorância sem fundamentos, ou seja, retornamos ao mito da caverna e do pensamento mítico, em que a ilusão e fantasia soa como a verdade incontestável.
        De que realmente me importa saber que as plantas nao tem sistema nervoso? Caso vivêssemos num mundo sem ciência – imaginemos no século XVI – isso mudaria nossa maneira de tentar viver? Da maneira de nos alimentar? Você coloca o exemplo acima da nossa realidade atual, não podemos sobrepor essa idéia que não corresponde com nosso presente…isso é sim é relativizar com improbabilidades, em que se remove tudo aquilo que conhecemos e substituímos por algo imaginável, é querer anular um processo evolutivo por algo instantêneo. Esse tipo de coisa nao existe, mas se chama fantasia.
        Te pergunto o que é o “naturalmente impossível”? ninguem fala em primitivismo por aqui, esse discurso vem de outro viés, e aqui isso não foi mencionado. Além disso, nenhum veggie diz que “somos mais naturais que vocês onívoros” é um tanto absurdo esse tipo de coisa, pois todos sabemos que as técnicas e processos estão aí para facilitar nossas vidas, e voltar ao “natural” seria algo como dar passos para trás na evolução humana. O que é questionável é, se realmente esses processos de exploração animal é necessário? Que direitos temos sobre animais que consideramos “inferiores” a nós? Isso só parte da especie humana, que transforma tudo em objeto abstrato, graças ao nosso poder de raciocínio, e esse poder é capaz de colocar sua especie acima de tudo, apenas pq imaginámos que seja isso o correto e a verdade.
        O capitalismo já se apropriou de vários aspectos do vegetarianismo, me diga algo que o mesmo não se apropria? Tudo que ronda nossa volta está nessas tramas infelizmente. Mas comparar vegetarianismo como “carnivorismo”, diria onivorismo, é um tanto incompatível, sendo que as condições caminham em direções opostas. O desmatamento que você visualiza na futurologia é um tanto bizarro, já se deu conta dos inúmeros hectares desmatados para pasto bovino? ou para o plantio de soja para alimentar esse bovinos? No documentário Terráqueos ou qualquer outros sobre este assunto, demonstra muito bem a quantia absurda de hectares para essa indústria. E o mesmo informa que se somarmos esses espaços e utilizássemos como meio de agricultura, poderíamos suprir nossos problemas de fome em diversos países de 3º mundo por vários e vários anos. Não é uma brisa maluca de vegetariano, mas se pegarmos na ponta do lápis e somarmos esses valores….o resultado é um tanto alarmante.
        Comoassim, a Finlandia sobrevivia apenas da carne e pesca? Sei não ein…. segue uns dados demográficos:

        2 200 000 ha de terras estão destinadas à agricultura.
        Existem 91 400 explorações agrícolas das quais 2% possui mais de 100 ha.
        A dimensão média das explorações agrícolas é de 24 ha (U.E.: 18,5 ha).
        22% dos terrenos agrícolas são em regime de arrendamento.
        A agricultura produz 6% da riqueza do país (P.I.B.) e emprega 9% dos trabalhadores (126 000 pessoas sendo que 6% são assalariadas).
        http://www.ceja.educagri.fr/por/pays/finl.htm#med

        Pois é…parece bem “difícil” viver lá ou parece que os mesmos tem muitas opções…..talvez aceite doações de passagens para visitar o local.

        Sim, alimentação faz parte dos costumes e valores culturais, isso é fato!!, porêm, toda cultura é questionável e além disso, é moldável ao tempo. Exatamente por isso existe o termo CONTRA-CULTURA que visa questionar vários desses costumes e tradições, os transformam e revolucionam em todos os milênios da civilização humana. Exemplos atuais disso são, touradas, festivais de tortura, cultos de ódio a mulher ou homosexuais, extremismo religioso e tbm alimentação, sem contar outros, mas todos esses citados deram um Boom neste século 21, após muito tempo negligência e exploração. Portanto, toda cultura pode e DEVE ser questionada, pois nossas sociedades estão em constante transformação e a cada passo, questionamos mais e mais nossos velhos valores. Como ja dizia um professor de faculdade meu ” Vivemos no século 21 porêm temos a cabeça do século 18 “ e para mim isso é bem verdade, pois ao criticarmos algo fora da tradição, somos condenados ao ridículo ou extremismo.
        Afirmar que não existe uma cultura é como dizer que o trabalho de um sociólogo, antropólogo, historiador, designer e etc não existe…é tudo uma besteira. Pois os mesmos são agentes que trabalham diretamente imersos na cultura de uma sociedade. Por favor, não esvazie a historicidade das coisas.

  6. krasis julho 12, 2011 às 8:09 pm #

    Como assim “Mais desmatamento, menos desmatamento… to-MAY-to, to-MA-to…”
    Mas você não é a Razão em pessoa? Não faz sentido essa linha de pensamento…parece um tanto reacionária.
    Como assim “Alimentar todas as nações do mundo sem controle de natalidade” ?
    As pessoas morrem constantemente, por milhões de causas e não é a alimentação que vai salvar elas de tudo, estranho isso ein.

    Por mim acabo aqui qualquer tipo de embate com algum defensor ridículo de consumo de carne que não traga algum argumento objetivo e menos “macho” para este mural.
    Nos tornamos antipáticos e chatos com esse tipo de assunto justamente por causa desse tipo de pessoa que imagina ser o centro do “universo Tr00 razão estou absolutamente certo e você errado” sem ao menos argumentar de forma lógica e civilizada.

    Prêmio Joinha Hangloose pra você Sr. Razão.

  7. krasis julho 12, 2011 às 8:14 pm #

    Caramba!!! Professor??????!!!!!!!!
    Sinto medo da sua formação então!!!! Ainda mais dos seus alunos!!!

    Vamos lá professor.
    Qual a diferença entre um ser Senciente e outro Senciente um pouquinho mais “evoluído” ?
    A) Ambos sentem dor
    B) Ambos sentem medo
    C) Ambos tem família
    D) Ambos são “livres”
    E) Todos tem que servir ao único ser superior descrito por um livro sagrado
    F) Não sei, tanto faz.

    Se é pra bater credencial e se sentir mais “superior” por algum motivo desconhecido da “razão humana”, sou Designer e Biólogo, ambos de formação.

  8. The Reason julho 12, 2011 às 8:15 pm #

    Muito obrigado.

    • Wuuupi julho 12, 2011 às 8:55 pm #

      Pois é, os onívoros são seres evoluídos *cof cof* fazem muito mais pelo planeta que os vegetarianos. Pasto não desmata, claro que não. Devem ter criado pasto pra vaca na lua, aka MUUUUUN, aka Moon. O brilho da lua (diferente do brilho do sol, que é gerado por fissão nuclear de Hélio), é ficcão nuclear de peido de vaca (fonte: “www.arazao.com”). Não tem nada mais lindo e gostoso que o peido da minha comida e o peido da minha mulher amada (fico pensando, pra um monte de gente mulher bonita nem caga, mas *quanto mais minha comida cagar, mas gostosa é, hmmm vou temperar esse bife com bosta!*).

      Com certeza enquanto esse ser superior a todos os animais tenta “”argumentar””, ele deve tá fazendo a MELHOR opção do mundo em questão de alimentação (porque ser vegetariano desmata, comer carne desmata). Ele deve tá fazendo fotossíntese, só pode.

      Pronto, trollei tanto quanto um onívoro chato, parei 😀

  9. The Reason julho 12, 2011 às 8:52 pm #

    “E) Todos tem que servir ao único ser superior descrito por um livro sagrado”

    HUAHUAHUAHUAHUAHUA

  10. Thiago Beleza julho 12, 2011 às 8:54 pm #

    correndo o risco de ser repetitivo, troll e o escambau, vou deixar um comment.. Twitei essa semana e a Deborah fcou bem chateada, achando que era uma parada pessoal, desqualificação, chacota, etc e não era… O que eu disse foi o seguinte: ‘sou contra a exploração animal, por isso só compro produtos originados da exploração humana’…

    Eu assisti ‘terráqueos’, curti bastante e esse problema sobre a informação não me afeta mais.. Realmente respeito essa luta e tals… Mas o que pega pra mim, é a inviabilidade da parada.

    NA gente não come pão de mel, que é substituído pelo melado, produzido do açúcar e vc tem noção de como o açúcar é produzido? (recomendo o doc MIGRANTES, que trata desse assunto).. Nesse caso, a gente descobre os pés pra cobrir a cabeça… E insistir de maneira tão incisiva nesse discurso passa uma impressão de que “os animais importam.. fodam-se os humanos…”

    Claro, eu conheço vc [conheço?] e sua irmã e sei que vocês não são assim… Mas é a idéia geral passada pelo discurso…

    Justamente por essa questão: a industrialização de produtos vegans demanda mão de obra explorada como qualquer outro produto industrializado.. Se a libertação animal fosse uma realidade, a demanda destes produtos não mudaria nada no modo e exploração humano.. e veja bem, eu ñ to dizendo que a luta dos vegans deva ser essa ou que vegans não se importam com seres humanos…Mas essa é uma questão fundamental.. O veganismo não é popular… Depois de um tempo eu acabei constatando que sai muito mais barato se alimentar com verduras… E da pra diversificar muito e se virar mto bem.. o Foda é quando precisa eliminar todos os produtos de origem animal… O mercado é fdp e ja percebeu que esse é um nicho lucrativo, pq a maior parte de seus membros são da classe média… Essa história de ler rótulo, saber o que come, permite que as empresas agreguem valor aos seus produtos e a parada pesa…

    O que me incomoda as vezes é essa idéia de que onívoros se igualam a racistas, machistas e homofóbicos.. A maior parte das pessoas se sente incomodada, atingida e atacada com esse discurso e daí partem pra tudo isso que vc disse que detesta…

    Comentei com a sua irmã, que qdo fui no vegacy, tinha a sensação (talvez inconsciente) de que eu era um pecador invadindo um espaço santo. E essa idéia, ainda que subjetiva, de que vegans são ativistas fodásticos pq são livres de todo preconceito, inclusive contra animais, coloca qualquer outra pessoa em um patamar abaixo, pelo simples fato de comer carne, ou beber leite, ou comer ovos… E eu acho que é daí que surgem as principais desavenças e troca de ataques que em nada acrescentam pra nenhum dos lados envolvidos..

    enfim, eu não qeuro fazer uma crítica. .to só compartilhando as minhas impressões.. Acho qeu um debate relevante (entre quem realmente queira debater) é: da pra difundir o veganismo e combater o capitalismo? O veganismo sobrevive sem o capitalismo? Da pra construir um veganismo popular onde os produtos feitos sem exploração animal também sejam feitos sem a exploração humana [e vice-versa?]

    E são questões sinceras, por favor, não entenda como uma provocação ou um ataque gratuito ao movimento…

    • Masto Donte julho 13, 2011 às 3:03 am #

      Muito sensato, mas eu acho os vegans muito cabeça fechada para compreender isso de verdade. É uma galerinha que se acha superior aos outros, me lembram aqueles evangélicos que querem te converter a todo custo, mesmo que nada faça sentido.

      Enfim, quer comer só mato, que comam. Eu quero comer o que eu quiser, e não ligo q vcs só comam mato.

      • krasis julho 13, 2011 às 12:24 pm #

        Você leu o post, comentários ou coisa do tipo? Veria que não é questão de se achar superior (até porque, nosso objetivo é não inferiorizar ninguém mesmo, nem os animais), e só fazemos o mínimo cabível para minimizar o sofrimento de demais espécies.
        É curioso ver como se propagou essa idéia do “vegangélico”, mas note a quantidade de trollagem onívora que recebemos, e o quanto nosso ativismo se resume em debates entre nós mesmos, ou tentativas de elucidar as dúvidas alheias (sobre nutrição, razões e etc). Os primeiros a atacarem com o discurso de “como mesmo, fodam-se vocês!” normalmente não somos nós.

      • Thiago Beleza julho 13, 2011 às 12:26 pm #

        Tenho essa impressão, as vezes, de que o movimento vegan não dialoga com os demais movimentos.. Mas talvez seja um erro, falta de conhecimento (afinal, não conheço internamente)…

        Mas acho que, como disse o Jô no comentário abaixo, há esses debates internamente.. eu não acho que a militância se resuma a posts e rebate de críticas sem sentido…

    • krasis julho 13, 2011 às 3:39 am #

      Ainda o outro membro do Krasis, Jo…

      É nisso que eu disse quado mencionei críticas mais objetivas e lógicas!

      Thiago, com certeza sei e também confesso que passei por essas sensações que você citou ao tentar me tornar vegetariano “estou invadindo um lugar santo e sou um pecador”, mas essa é uma falsa ilusão, talvez até seja criada por uma “nevoa” que foi gerada nos debates entre veggies x onívoros. Argumentos extremos e toda uma midiática radical que de primeira vista, choca e causa 2, 3, 4 interpretações. Enfim, não vou entrar nessa questão de “como ser um ativista”, cada um tem sua metodologia e sabe o que faz.

      Com certeza o veganismo pode e deve entrar nas questões capitalista, uma vez que lidamos com o foco da exploração animal, e a mesma afeta seres humanos, mas como? Basta ver a gama de trabalhadores que se movem para contemplar esse mercado.
      Mas tbm não é apenas isso, como vc mesmo menciona sobre os canaviais, é realmente triste, por um lado o veganismo tenta lutar por uma ou mais questões animais e por outro ainda esquece de quem lhe fornece um simples melado de cana ou um pé de alface. Mas como diria os anarquistas da africa do sul, que as lutas, por mais que estejam e sejam fracionadas, deveria de ser uma única luta, contra o sistema capitalista e patriarcal, que compoe diversas véias que se alastram em diversas direções.
      Por isso que chega a ser muito complicado lutar por 1, 2 ou 3 coisas e abnegar das outras, sendo que nem mesmo uma única luta, algumas vezes, entre em acordo com seus companheiros, exemplo disso é o feminismo, se TOD@s fossem 99% unidas como a luta pretende, a causa estava ganha, mas nao é bem assim que funciona na prática e teoria. O mesmo para o veganismo, tem vegan cômodo, que só entra nessa pela saúde, tem vegan homofóbico, vegan classista, vegan sexista e por aí vai. É complicadíssimo, muitas vezes, discurtir questões políticas dentro de um fórum vegan, pois há uma pluralidade imensa e dispersa.
      Portanto, este tema Veganismo + Anticapitalismo existe e já foi, e ainda é, muito discutido por aí, vide workshops em ongs, squats e etc. No meio Anarcopunk também já foi imensamente discutido e por aí vai, mas é difícil somar lutas que tem “tudo a ver” umas com as outras, o problema é criar empatia e consciência entre as pessoas para contempla-las.
      Por isso que a Debah disse sobre “não podemos invalidar uma luta pela outra”….eu diria que “além de lutar pelas causas que acreditamos, deveríamos somar lutas que venham a agregar ainda mais a liberdade dos seres”
      Mas por enquanto, as causas ainda são separadas, as somas delas cabem a nós, e pra isso é preciso primeiramente, concordâncias internas, objetivas e pragmáticas, e acredito que por consequência as lutas se enxergariam como agregadoras umas as outras futuramente.
      Parece meio feliz demais e progressista, mas é uma idéia, talvez uma proposta mal formulada, mesmo assim é melhor do que se manter na apatia e ver a bosta afundando.
      Por outro lado, vejo que a bosta afunda cada vez mais a ponto de ficar pastosa, e de que o destino disso tudo é viver abaixo de uma grossa camada cinza e violenta, comendo algo processado e aditivado para sobreviver ao ambiente e manter as máquinas rodando, num ciclo repetitivo. (realidade atual e talvez piore futuramente).

    • krasis julho 13, 2011 às 12:43 pm #

      Thiago, ademais das soluções que o Jorge já apresentou, compensa falar também que o Veganismo não é e não pretende ser o ápice da Libertação Social. São lutas que deverão ser travadas em conjunto, como em muitas ocasiões já o são (através dos debates). Conheço sim veganos que não consomem açúcar pelo motivo citado. No entanto, não são seres “politicamente perfeitos”, assim como ninguém que eu conheça.
      Apontar esse “defeito” no veganismo é jogar qualquer outra luta na lama. Você, por exemplo, luta pelas crianças da periferia de São Paulo. Eu poderia te perguntar o que você faz pelas da África, sabe? Está muito mais distante da sua possibilidade, então você ajuda as que estão próximas. Assim como pra mim, que compro minha comida em supermercado e sou alfabetizada é muito fácil ser vegana, reduzir um NICHO do mercado de sofrimento é o mínimo que eu posso fazer. Ou adotar um animal. São coisas que podem realizar um pequeníssimo impacto no capital, mas talvez transformem a vida de um gato ou cachorro.
      Sobre o capital e as comidas: o capital sempre se apropria das lutas. Seja o feminismo da Bombril, seja a pseudo-esquerda de camiseta de líder revolucionário cubano. Ainda assim, se for para considerar, o veganismo, caso “implantado”, destruiria um grande mercado, que move milhões inclusive no Brasil. Imagine falir a Friboi, que patrocinou campanhas da Presidenta? Derrubar as grandes indústrias de leite? Isso não os interessaria. Empresas vendem produtos a base de soja mais por bem-estarismo (o foco deles é nas mulheres, que consomem esses produtos para si, e compram os “tradicionais” para a família) do que focando em um grupo que destruiria seus negócios.
      Quanto ao veganismo ser popular…a esquerda o é? Nós viemos da periferia, eu e você. Estudamos em lugar precários e conhecemos o senso-comum de perto. Quantas pessoas estão dispostas a sair da rotina empregomassacrante-futebol-novela-cerveja? E a cerveja?! O álcool que aliena e entorpece aos finais de expediente, não seria também um silenciador da revolução? Uma amnésia induzida do expediente massacrante ao alcance de uma dose de pinga? A cultura de bar não é também a cultura do futebol e do machismo?

      Outra coisa: o motivo pelo qual as pessoas se sentem ofendidas quando comparamos os especistas aos demais opressores, é porque elas botam os animais em níveis de inferioridade. Veja, muita gente ESCOLHE deliberadamente se alimentar de sofrimento. Não tô falando de quem passa fome, tô falando da classe média creófila revoltz, que come na churrascaria cara mesmo. E se você tenta argumentar, a pessoa ainda te xinga. Elxs querem o direito ao sofrimento alheio, a morte, a tortura e o estupro de animais. E o motivo pelo qual não acham que isso é tão ruim assim, é porque não consideram as sensações deles – dos animais – importantes.
      Se fosse carne de nordestino pendurada no açougue, você não consideraria extremamente ofensivo? Eu iria. Poderia ser a minha mãe, a minha avó, e ainda assim todos achariam natural. Porém, como são só seres senscientes incapazes de lutar por si mesmos, fica tudo conveniente e natural. Não dou a mínima que se ofendam, o objetivo é que reconheçam mesmo, no mínimo, seu egoísmo extremo.

      Enfim, assim como as empregadas domésticas continuarão existindo, os animais continuarão morrendo. Ambos não tinham necessidade de ser, senão para suprir vontades ególatras. Para que fazer parte desse mercado, se eu tenho outra escolha? Minha proposta nunca foi “evangelizar” quem só tem tatu pra comer. Mas porra, classe-média, internet, água encanada, supermercado…

      • Thiago Beleza julho 13, 2011 às 12:58 pm #

        Só uma observação: A esquerda DEVERIA ser popular. Ocorre que, entre os pobres, a tomada de consciência de classe nunca foi estimulada..Menos acesso a informação, etc… Mas óbviamente a luta de classes deve ser protagonizada pelos explorados.. Em seu conceito mais básico, pertence as classes populares..

        As classes B e C são tão exploradas quanto as D e E, ocorre que pretendem, ao invés de lutar contra a exploração, ocupar o lugar dos exploradores…
        Óbviamente a esquerda consciente se apropriou da luta dos mais pobres, tomando a frente desde muitos anos atrás. Mas ja ficou mais do que claro que a burguesia não abre mão e seus privilégios em favor do bem-estar da maioria… E esses privilégios precisam ser arrancados na marra.. é um processo…

        Sobre a questão da produção capitalista, o que eu quis dizer (e sei que ficou meio confuso) é que, sem os métodos de produção capitalista, talvez [e apenas talvez] o veganismo não fosse possível.. Afinal, quem estaria disposto a produzir a própria comida (e mano, meu pai tem a porra de um pomar e ja teve horta…Poutz, é um trampo da porra cuidar)… e que o aumento de adeptos do veganismo aumenta a demanda de produção destes produtos livres da exploração animal, aumentando a exploração humana necessária a sua produção nos moldes capitalistas…

        O fato é que, romper com a cultura da exploração animal, sem romper com o capitalismo, é um tiro no pé… Garante a exploração do homem pelo bem-estar dos animais.. e aqui, a questão não é quem é mais importante… Mas uma questão de sobrevivência…

        Eu faço essa relação com o capitalismo pq acredito, sinceramente, que o sofrimento causado e todos os problemas decorrentes do hábito de exploração animal são frutos da produção em massa… Já vi e vivi uma relação entre humanos e animais em que há uma troca, sem esse impacto desumano sobre a vida dos animais…

        Nesse ponto, o “radicalismo” vegan soa como uma salvação utópica.. Um sacrifício quase cristão pra salvar os animais e da esse aspecto de que o ”veganismo é só uma modinha de quem não tem o que fazer”.. ´

        Acho que falta esse diálogo com demais movimentos (e aqui posso estar falando merda, por falta de conhecimento mesmo) para buscar uma saída em que o fim da exploração animal não signifique a manutenção da exploração do homem…

        PS: Adoro cerveja, adoro botecos (os mais sujos, de preferência) e procuro desconstruir meu machismo…tampouco sou fã de futebol… =p

      • krasis julho 13, 2011 às 1:41 pm #

        Jo,

        Uma coisa que deixou de ser citada é que, o capitalismo se apropria de diversas causas, apenas com um único sentido, lucrar!
        Então torna-se evidente que o mesmo venha a agregar um nixo vegan, suprindo produtos para toda essa gama de pessoas que optam por este caminho.
        Mas não concordo com o fato de que o veganismo nao existira sem o capitalismo…sendo que ao implementar algo como uma sociedade “comunitária”, uma comuna, as necessidades de trabalho tenderiam a visar as necessidades e não os pirivilégios. Como havia citado anteriormente, é mais barato manter 10mil M² de plantação para sustentar 2000 pessoas do que criar milhares de cabeças de Bovinos para sustentar as mesmas. Se medir os gastos de ambas como, o que é preciso para criar bois ou o que é preciso para manter uma planta, torna-se mais sustentável e rendável as opções plantae.
        “Mas é muito foda criar um pomar/horta/plantação” mas é tão fácil assim criar uma renca de animais, alimentá-los, vaciná-los, abrigá-los e ceifá-los?
        O que o veganismo propõe em muitas vezes é…coloque na balança tudo o que é necessário para cuidar de um animal para o consumo e tudo que é necessário para manter uma horta.
        Agora envolvendo questões anarquistas, o próprio Bakunin ressalva que a luta libertária deverá se estender até os campos, pois é o mesmo que sustenta as cidades, portanto essas questões de exploração do trabalhador, mesmo que o seja fora dos centros urbanos é pensada e discutida na historicidade anarquista, nao estou falando de veganismo mas sim do reconhecimento da exploração das pesso@s.
        Sendo assim, é possível existir o veganismo dentro de outras estruturas, sem explorar animais ou seres humanos, uma vez que se pensar um sociedade comunitária, autogestionável e sustentável.
        Não creio que o radicalismo vegan seja uma salvação utópica, se for considerar isso, o feminismo, anarquismo, racismo, pacifismo e etc não parecem um tanto utópicos tbm? Há necessidade de considerar a distópia antes de mais nada, pois a partir dela que você pode analisar pragmáticamente o que é possível ao momento e talvez futuramente.

  11. Wuuupi julho 12, 2011 às 9:00 pm #

    Ok, as questões do Thiago são bem relevantes mesmo, dava um post novo. 🙂

  12. Thiago Beleza julho 13, 2011 às 1:55 pm #

    Be,, Jo, acho que esse é o caminho.. Pensar o veganismo como uma luta anti-capitalista… PQ do jeito que a coisa anda, eu não duvido que as mesmas empresas exploradoras de animais financiem a libertação e auxiliem no combate a esses métodos de produção animal..Seria lucrativo bagarai…

    Eu concordo que seja possível uma sociedade organizada e auto-suficiente… eu só não consigo imaginar essa galêros formada, trabalhando em escritórios e o escambau, produzindo a própria comida… O modo de vida atual demanda produção em massa e quem é que quer abrir mão dos confortos comprados no capitalismo??

    Sobre a dificuldades na criação de animais, vc esta falando em uma criação a níveis industriais…
    Na casa dos meus pais tem 2 dúzias de galinhas e o único trabalho é alimentar as galinhas e recolher os ovos que não deverão ser chocados… pessoalmente, acho mais fácil do que o trabalho de manter uma horta… Mas claro, que isso pq a idéia não é comercializar..
    Mas eu realmente não consigo imaginar a class-média botando a mão em esterco pra plantar, entende? òbviamente é uma quebra de paradigmas… se for necessário, ou se faz ou se morre de fome…

    Maltratos de animais são fruto da produção em massa e não do hábito de comer carne.. A relação da criação de gado em um sítio, para alimentação de uma família é totalmente diferente da relação com um fazendeiro que alimenta a cidade inteira… mas eu entendo perfeitamente a escolha em ser radical em se negar a consumir produtos da morte de outros seres…

    TAlvez tenha me expressado mal, mas não disse que o ‘veganismo é uma solução utópica’.. Disse que a falta de diálogo com outros movimentos, dá esta impressão… De que é uma utopia impossível… .

  13. Deborah Sá julho 13, 2011 às 2:21 pm #

    Thiago:

    Da mesma forma boa parte da população não tem acesso a outras correntes de pensamento, por exemplo, o ateísmo, quantas igrejinhas existem na periferia? E quantos bares? O que mais vejo são igrejas e bares por toda parte. Tem gente (cof, cof, baseado em fatos reais), que queimou as roupas pretas e “satânicas” da sobrinha, jogou tevê da laje, matou o próprio cão envenenado (por causa de uma profecia), bateu e expulsou a filha lésbica de casa porque era uma vergonha pra “igreja” entre outros absurdos amparados pela ignorância e fé cega. Infelizmente algumas dessas cenas, presenciei de muito perto =/

    No caso dos animais não-humanos é impossível ser protagonizada pelos explorados, porque vacas não vestem terninho. Na verdade os vejo na mesma condição de vulnerabilidade de crianças: Não há quem interceda, cabe a cada defensor@ de direito animal fazer o que pode.
    Quem defende imigrantes não necessariamente pouco se importa com a causa da mulher negra, sejamos pragmáticos: Não dá pra abraçar o mundo. Sempre existirão lacunas, por isso a intersecção de lutas é tão importante.

    Quando tiver a minha casa, não contratarei empregada doméstica e se alguém me pergunta o que acho do assunto sou clara: Não adianta liberar as brancas e classe média para o mercado de trabalho à custa da dependência de mulheres negras e pobres para preencher a “lacuna”. Mas essa sou eu (indivíduo) e tenho consciência que a classe média não abrirá mão e por motivos ideológicos me abstenho e quer saber? Nem acho que seja grande “sacrifício”. O mesmo vale para o Veganismo, não somos “iluminad@s”, na verdade fazemos o mínimo por enxergar uma lógica de opressão que no momento pode ser evitada.

    E esse argumento de “Ei, vocês não usam açúcar?” costuma vir de quem consome não só o açúcar, vegetais, legumes e frutas, além disso, compram a carne, o leite, ovos e todo o resto. Sim, provavelmente animais morram nas plantações com agrotóxicos, sim, se está na prateleira de um grande mercado provavelmente tem exploração humana. Mas e então? A Esquerda (com imensa visibilidade comparada ao Veganismo) ainda não conscientizou toda a Periferia, está em maior parte nas Universidades com gente branca e não raro com empregada em casa. Mas a culpa dos métodos de produção não é da Esquerda, dos Anarquistas, Socialistas ou Vegans. É algo maior que tentamos (cada qual ao seu modo) transformar através do diálogo e ações.

    Quem estaria disposto a “produzir integralmente” o que consome? Pouca gente, de fato. Mas isso também não seria uma defesa genuína da Esquerda? A maioria dos Esquerdistas que conheço, comemoram com cerveja e churrasco e agora José?

    Se você freqüentar qualquer Bazar/Loja/Evento Vegano, notará que muito dos “expositores” são pessoas que fabricam sabonetes e outros produtos de forma artesanal, então nesse caso “@ consumidor@” olha na cara de quem produziu, mas e a matéria prima vem de onde? E a pichação “Foda-se o Sistema” não usou dinheiro para comprar o spray? E eu e você não vendemos nossa força de trabalho?

    Sobre ”veganismo é só uma modinha de quem não tem o que fazer”, não há nada mais Capitalista que um latifúndio, a Friboi patrocinou a campanha da Dilma. Quantas vezes ouvimos que “quem defende gay não tem mais o que fazer”, “que todo ateu é atoa”, “ser “afeminado” é falta de “corretivo””? Não é porque as pessoas têm as informações baseadas no que ouvem na grande mídia e são mal informadas que essas lutas perdem seu valor.

    Concordo que falta diálogo entre Veganismo e outras lutas, mas já tentou conversar disso com outros militantes? O chumbo é grosso pode acreditar; tentei falar com algumas feministas e elas foram tão grossas que você não tem idéia, só quando a Lola apareceu na discussão (porque ela é uma feminista mais respeitada que eu) que a “poeira baixou”, isso é discurso de autoridade na veia. Experimenta chegar em um churrasco de Esquerdista tocando Chico Buarque no violão? Nesses ambientes chego “na minha” e levo minha comida, converso e são eles que vêm dizer “mas temos causas mais importantes, eu adoro comer picanha, os animais são burros mesmo hehehe”.

    Sobre botecos: O garçon não é explorado? Mais ainda, e a cerveja? Não seria uma genuína preocupação da Esquerda, debater sobre o consumo de álcool (te perguntei isso no Twitter, mas você não respondeu)? Esse álcool que objetifica as mulheres, entorpece trabalhadores, causa acidentes de trânsito, faz o cara chegar em casa e bater na mulher, nos filhos e no cachorro?

    • Thiago Beleza julho 13, 2011 às 2:52 pm #

      Concordo plenamente com essa questão… Quando o assunto das empregadas domésticas foi levantado no grupo das blogueiras feministas o pau fechou…

      O que eu continuo levantando e acho que é o debate mais importante é: que tipo de sociedade queremos? Como se dará a libertação animal? Será financiada pelo capital?

      E eu não te respondi sobre os botecos pq não acho relevante… Culpar o alcool por problemas sopciais é o mesmo qeu culpar os carros pelos acidentes de trânsito.. é uma lógica bizarra…
      eu sei que os garçons são explorados e o escambau (e coisa mais rara do mundo é eu ir em um barzinho, com gente me servindo..).. mas é a mesma lógica não?

      Não acho que essa troca de acusações de “eu consumo produtos vegans oriundos da exploração e você consome cerveja que, além de ser oriunda da exploração, financia o apocalipse” não vai levar a lugar nenhum… Não é o diálogo que eu proponho… A idéia não é uma queda de braço pra ver quem é o ativista mais dig-din-sou-foda ou quem explora menos.. e foi por isso que não perdi tempo prolongando uma discussão baseada em troca de ataques.. é esse tipo de postura (a do “você critica o vegan que come açúcar mas consome carne.. quem é pior?”) não leva a lugar nenhum… Não é uma crítica a fim de desqualificar.. é diálogo..

  14. Deborah Sá julho 13, 2011 às 2:42 pm #

    Thiago,

    Da mesma forma que “não preciso de uma empregada”, não vejo qualquer necessidade em comer ovos, ou uma vaca para tomar leite, esses nem são da minha espécie… Sequer são “feitos” para me servir. Devem existir para seus próprios propósitos.

    Precisou que meu tio fosse preso para minha avó perceber a tristeza das dezenas de passarinhos que guardava em casa. Contudo, não duvido que mate uma galinha sem a mínima dó “porque ela faz isso desde menina”. Nas minhas conversas com ela, tento explicar o porquê não quero consumir produtos de animais, da mesma forma que explico o porquê é errado fazer comentário racistas e homofóbicos.

    Sei que há séculos usamos (e sem parênteses, é um termo apropriado) os animais, mas devemos acreditar no argumento de que “sempre foi assim e continuará por toda a eternidade”? Felizmente enxergo a História como construída por seus agentes, observadores e possibilidades e quem a escreve não são apenas os que aparecem na TV, viram nome de praça e monumentos, nós fazemos parte disso e a internet maravilhosamente possibilita que nossa voz seja ouvida por um número muito maior de pessoas, quando que em outros tempos filhos de nordestinos, de escola pública como nós, estariam aqui, falando em um espaço com tanta possibilidade de divulgação?

  15. Deborah Sá julho 13, 2011 às 4:41 pm #

    Não posso falar por todos Vegans e Feministas do mundo, mas tentando responder suas perguntas:

    Que tipo de sociedade quero:
    Onde não existam empregadas domésticas (para tanto, a forma como separamos “atividades de mulher/homem” seriam revistas), onde mulheres possam interromper uma gestação se assim desejarem, com saúde de qualidade, educação e informação ampliada para todos os setores. Onde homens não fossem “brutalizados”, incentivando que odeiem a si e a outros ao redor; fazendo uso de violência como expressão. Onde orientação, prática e gênero fossem apenas características que não nos separassem em melhores/piores, onde animais não-humanos fossem respeitados e não mercantilizados, torturados, estuprados e mortos. Da melhor maneira possível: Igualitária.

    Como se dará a libertação animal?:
    Em primeiro lugar: Não é possível adivinhar o futuro, o máximo que fazemos são suposições, a História (ainda bem) não possui manual de instruções. A meu ver o primeiro passo é o Veganismo, que é um conjunto de idéias e práticas que visam desconstruir a opressão dos humanos aos não-humanos. Da mesma forma acredito que o Feminismo é uma ferramenta contra o Patriarcado, as articulações e reivindicações Feministas nem sempre são ouvidas, muitas vezes somos ridicularizadas e muitas de nós até perseguidas. Mas continuamos tentando.

    Será financiada pelo Capital?:
    Creio que não, pois se há Capital, há exploração humana e não humana; “Libertação Humana, Libertação Animal” é um bordão comum (no meio dos Defensores de Direito Animal Abolicionista) e são vários os Vegans que advogam por causas também humanas. O que o Capital abraça com muito gosto é o bem-estarismo, esse que ajuda a aliviar a consciência de quem pode pagar 150% mais caro por um pedaço de frango.

    Um frango de abate “humanitário” faz bem pra quem? Pro comerciante que fica com fama de “bonzinho”, pra saúde (de quem paga mais caro)?

    Sobre boteco:

    Acho estranho tanta gente falar mal de maconha (sei que não é seu caso), mas o álcool é vendido livremente e causa dependência. Além disso, detesto a imposição social de que precisamos beber pra sermos “descolados”, isso rola muito, como se beber expandisse a mente, fosse a única forma de se “soltar” ou conversar. Se tantos Esquerdistas gostam de beber, isso não os faz diferente de grande parte das pessoas, eles não bebem porque são Socialistas, eles bebem como costume. E não sou melhor por não fazer parte disso. É da liberdade afastar do que não apetece.

    Vegans fazem o que podem, Esquerdistas também, já diria o Pagode do grupo Revelação “Todo mundo erra, todo mundo erra sempre, todo mundo vai errar”.

  16. Thiago Beleza julho 13, 2011 às 6:17 pm #

    Então.. eu ja vi em alguns sites essa parada de libertação animal/libertação humana…

    Talvez falta a esquerda esse reconhecimento do movimento vegan como uma luta por outra frente, mas contra um inimigo comum, que é o capitalismo. Talvez falte informação, etc, etc…

    Eu não acho que o capitalismo abrace somente o bem-estarismo… As empresas sabem oq fazem e sabem que, em sua maioria, vegans tem um poder aquisitivo razoável e vão pagar mais caro por um produto livre da exploração animal…

    Eu entendo perfeitamente que vc não curta botecos, ou se drogar ou qqr outra coisa.. E respeito mto isso.. Oq eu disse é que não da pra construir um debate construtivo falando nesses termos.. eu curto beber.. Curto encher a cara e amanhecer de ressaca.. É o meu placebo… a minha fuga dessa rotina massacrante do cassete…

    Deve existir gente que faça isso, mas, ao lançar esses questionamentos ao veganismo, não estava defendendo a ordem vigente e nem dizendo q todos deveriam encher a cara todos os dias, etc, etc (e sei que vc ficou bem presa aquele texto sobre ESQUERDA FESTIVA q eu escrevi)… Ocorre que, as pessoas defendem idéias diferentes… Minha crítica naquele texto foi a própria esquerda, enfurnada em reuniões intermináveis e cujo objetivo mais complexo é derrubar a influência do partido oponente, deixando de lado ações mais efetivas (yes, sou pragmático)… foi uma chacota, me divertindo com um assunto que pra essa galera é tão séria…

    Sobre essa questão do vegan x capitalismo uma reflexão relevante (penso eu) pq diz respeito a como as diferentes frentes de luta interagem… enquanto o movimento vegan, como um todo, não se posicionar como esquerdista e anti-capitalista, não vai ser abraçado pela esquerda (seja ela intelectual, de boteco ou academico) enquantoa idéia padrão que se tem dele é de que é “uma coisa burguesinha pra quem pode pagar pra ser vegan” (e eu tenho percebido que essa é uma idéia que vem sido rebatida constantemente por vc e pela sua irmã )..

    Acho que concordamos que o que se sabe sobre veganismo é muito pouco.. O que fala a TV ou o que lemos.. e isso é pouco.. Principalmente por essa questão cultural milenar de que os animais são inferiores e devem nos servir.

    E, veja bem, essa é só a minha opinião, baseado no pouco que sei sobre o assunto…

    PS: acho que esse debate que estamos tendo aqui é improtantíssimo pra se começar a mudar essa visão sobre o movimento…

    • Deborah Sá julho 13, 2011 às 7:03 pm #

      Talvez falta a esquerda esse reconhecimento do movimento vegan como uma luta por outra frente, mas contra um inimigo comum, que é o capitalismo. Talvez falte informação, etc, etc… [2]

      Não duvido que o Capital “abrace” Vegans que topem pagar mais caro, mas pra ser sincera, não conheço no Brasil nenhuma marca (dessas que vendem em mercado, não a de meia dúzia de pessoas que fabricam biscoitos e/ou sabonetes de forma artesanal) que seja 100% Vegana. Tem uma marca chamada Super Bom que é de Adventistas e eles fazem muitos produtos Vegetais (incluindo a maionese Vegetalle), entretanto usam mel em algumas composições (por exemplo, a pasta de manteiga de amendoim). Porque os fabricantes colocam os produtos vegans no balaio de “integrais e naturebas” isso inclui o mel.
      As empresas que investem nesse mercado não estão pensando nos Vegans, o maior consumidor desses produtos são mulheres com mais de quarenta anos ou fazendo dieta, querendo saúde e “sustentabilidade”. Comprando isso para elas e os produtos “normais” para o resto da família, perdi as contas de quantas mães conheci que são vegetarianas, mas continuam melando a mão de bife porque o maridão faz questão e as crianças fazem careta pra brócolis.
      Quando chego a um estabelecimento não falo “Ei, o que tem Vegan aí?” a estratégia é falar que sou alérgica a ovo, leite, manteiga… É mais fácil respeitarem por uma “restrição alimentar inventada” do que eu mandar o discurso “Ser Vegan é…”, já até ouvi “Se fosse religião eu até entenderia”.
      “Minha crítica naquele texto foi a própria esquerda, enfurnada em reuniões intermináveis e cujo objetivo mais complexo é derrubar a influência do partido oponente, deixando de lado ações mais efetivas (yes, sou pragmático)… foi uma chacota, me divertindo com um assunto que pra essa galera é tão séria… “
      Não havia entendido a ironia, nesse caso concordo -_-

      Como falei antes, é muito difícil tentar falar algo sobre nesses espaços (de esquerda e/ou feministas), o pessoal fica ofendido pensando que “tem causas maiores, primeiro os humanos depois os animais”, “É coisa de burguês”, quando falam isso costumo rebater “Okey, mas quantos Vegans você conhece?”.
      Sou bem aberta ao diálogo, apresentar ideologias, responder dúvidas, mas antes de sair falando mal de um grupo seria bom a esquerda enxergar a possibilidade de coexistência. Nesse sentido, fiquei muito feliz da Lola ceder o espaço para o Guest Post.

      Quanto mais pessoas terem acesso a essa informação e enxergarem o Veganismo como uma possibilidade concreta de ação política, melhor 😉

      PS: Também acho bom o debate 🙂

  17. The Reason julho 14, 2011 às 5:23 am #

    Vocês levam a antropofagia muito a sério, não acho nada abominável, eu comeria carne humana tranquilamente, seja de um desconhecido ou de um ente querido caso a necessidade surgisse, depois de morto é tudo carne.

    Você diz que apesar de não ser extremamente radical, faz o que pode pra salvar os animaizinhos bla bla bla… bom, eu poderia comer o dobro de carne, mas não como, sendo assim eu também estou fazendo minha parte.

    Mas salvar a vida de uma vaca na minha vida sendo que fui responsável pela vida de milhares de galinhas, perus, patos , mais uma porção de alguns mamíferos, peixes, rãs, polvos, caracóis, formigas içá, bivalves, etc comidos, mais a responsabilidade das outras milhares de espécies que eu também matei indiretamente… e dizer que estou fazendo a minha parte? salvei uma vaquinha dentre tudo que eu matei? isso é hipocrisia, pura e simples.

    Eu: -matei 10.000
    Vegan com problemas paternos na infância e adoescência: -matei SÓ 9.400, você é um monstrX, eu estou fazendo a minha parte, e você? Seu assassinX.

    P-lease… vocês me envergonham… vocês SE envergonham

    Comam a alface de vocês em paz e sumam da minha internet.

    • krasis julho 14, 2011 às 12:15 pm #

      Razón, fofinho. Você está realmente muito incomodado com a existência de gente que tenta fazer sua parte no mundo, né? Calma, respira fundo, você não vai precisar deixar de comer carne tão cedo, as indústrias ainda lucram bastante com a tortura ok?
      E olha, caso a necessidade surgisse a gente comeria até a própria merda. A questão é que nós ESCOLHEMOS o que comer. Você come carne porque quer, e eu não como porque não quero. Tá difícil? Quer que eu monte slides no powerpoint?

      Sobre salvar o mundo: nenhum vegano acha que o está fazendo. Só não faz sentido alimentar uma indústria com a qual não concordamos sendo que temos tantas outras escolhas em mão.
      Assuma seu egoísmo e sua falta de empatia e seja feliz! Não se reprima, amigo creófilo! \o/

    • krasis julho 14, 2011 às 5:46 pm #

      Jo,

      Professor Razão,
      Depois da sua última verborragia, percebesse que você como um formador pedagógico é um tanto decepcionante, pois acaba apelando pro confronto do que pra razão e argumentos. Pra você ter noção, conhecemos o Thiago Beleza e o mesmo tbm é onívoro, e nem por isso arregaçamos o mesmo a ponto de agredí-lo, mas sim construímos algum debate objetivo.
      Enfim, não sei onde você quer chegar falando esse monti de besteiras, vegetarianos não são capitões planeta e muito menos bem estaristas(como você), a causa é contra o sofrimento/exploração animal, as questões de “quem se senti o mais ou menos culpado” não é nenhuma disputa ou campeonato pelo ser humano mais ético do mundo. Se VOCÊ não enxerga isso como problema, ok, go fuck yourself, os ativistas tem apenas o papel de informar os que não conhecem e mesmo se não faça efeito, pelo menos você está informado do que paga e coloca no prato. Não pegamos na mão de ninguem ou apontamos o dedo na cara das pessoas nas ruas e restaurantes pra fazer piada de quem come carne e por isso é uma bichona. (pois onívoros são os primeiros a apontar na kra dos outros e julgá-las pelo que comem…apelando pra todo tipo de preconceito, bicha, mulherzinha, fresco, natureba, comemato e etc) Um tanto ético e educado nao? uma busca por autoafirmação tão insana e invasiva, que chega a dar pena da formação social que a pessoa infelizmente teve.

      “P-lease… vocês me envergonham… vocês SE envergonham
      Comam a alface de vocês em paz e sumam da minha internet.”

      Não devemos nada a ninguem, muito menos pra alguem que se acha o dono da verdade mascula e reacionária. A piada aqui é você, em outras palavras, você que escolheu entrar aqui e patrulhar a idéia dos outros e você mesmo está se expondo ao ridículo.
      Portanto, beba o seu pûs e coma sua proteína morta, a internet nao é sua e o universo nao gira em torno do seu umbigo. Vá chorar em outro canto e suma do MEU blog.

      * Autocombustão é uma ótima sugestão, já tentou?

  18. The Reason julho 14, 2011 às 7:57 pm #

    Vou deixar você ter a última palavra pra ficar com gostinho ilusório de vitória na boca, adeus feminista-vegan-esquerdista-religiosa(x).

    • krasis julho 14, 2011 às 9:09 pm #

      Infla teu ego é vai na sombra, xingar é cômodo, debater que é difícil.
      Vitória? Estou em um campeonato da vivência humana e não sabia.
      Religiosa? não sabia que ateísmo tinha virado religião.
      Feminista? Sim, pelas mulheres e para as mulheres.
      Esquerdista? Só se for anarquismo, pois capitalismo é intragável.

  19. Hynx julho 14, 2011 às 8:10 pm #

    The Reason, para de argumentar cara, você esteve certo em todos os pontos e o pessoal só sabe falar merda em cima de merda. Essa mina e todos os outros que comentam parecem que não pensam pra escrever.

    Eles querem que ninguém critique o ponto de vista deles, mas criticam praticamente todos os outros pontos de vista sobre a ingestão de carne, leite e etc… são os novos cristãos, tentando impor uma “verdade” pra otras pessoas. Só que dessa vez com sarcasmo e frases chocantes como “beber leite é estupro e contém pus”.

    Isso é tão anos 90 como quando falavam que hamburguer do mc donalds tinha carne de minhoca. Foda-se! Pra quem acredita nisso, não coma, pra quem come vai ser a minhoca mais deliciosa ever.

    Não me acho mais mais macho do que qualquer outro como a ácefala dona do blog diz que quem come carne se acha. Aliás, pra um povo que luta tanto assim por causas nobres vocês tão bem totalitaristas, não? Chamando todos de homofóbicos e estupradores, ignorantes e errados. Querem um pouco de compreensão mais não compreendem ninguém. São o equivalente do machista que fala que todo cara que usa rosa é viado.

    Sério, não sou conta o veganismo, cada um come o que quizer. Não sou contra o homossexualismo, dá a bunda quem quer, usa o pinto e a buceta do jeito que quizer. Mas vai querer impor SUA opinião pro resto do MUNDO como se fosse a verdade suprema e vem falar que NÃO é radical? Com todo o respeito, tome no cu.

    Pensa um pouco gente, sério. Calculem bem como seria um mundo com 100% de veganos, não apoie o totalitarismo só por que essa é a SUA escolha. Tomara que daqui uns anos, quando vocês crescerem, leiam esse texto e sintam vergonha. Não vergonha das suas escolhas, mas vergonha de achar que todos precisam ter as mesmas.

    • krasis julho 14, 2011 às 9:02 pm #

      Nossa, uma macho nervoso! Corram pra colinas!!

      Tá incomodado pq? Em que momento um vegetariano enfia uma cenoura na sua boca?
      Lê de novo o texto, procure se informar melhor, xingar é muito cômodo ao invés de debater com argumentos inteligentes.
      Temos muitos amigos onívoros que nao chegam ao nível de escrotisse de você, então se você tá incomodado, pq veio aqui ler? Tá incomodando a SUA internet? Abre um blog e começa a xingar oq vc não gosta.
      Quem disse que não queremos que critiquem nosso ponto de vista? Por isso deixamos o espaço em aberto, mas infelizmente um bando de gente que se acha a dona da “Razão” quer impor sua opinião o que não lhe convêm. Se não lhe convêm, ótimo, já sabemos disso, segue sua vida que seguimos a nossa, vocês não são os únicos habitantes do planeta portanto conformesse.

      “são os novos cristãos, tentando impor uma “verdade” pra otras pessoas. Só que dessa vez com sarcasmo e frases chocantes como “beber leite é estupro e contém pus”. ”

      É deve ser os vegangélicos né? Engraçado a comparação, mas, que verdade?? Uai, vai lá no matadouro, não sou eu que inventei isso. Assiste todo processo do leite, tu não tem coragem de vir aqui bancar uma de herói? Sarcasmo só é usado quando necessário, não sou eu que chego xingando a torto direito dentro do seu espaço virtual.

      “Não me acho mais mais macho do que qualquer outro como a ácefala dona do blog diz que quem come carne se acha. Aliás, pra um povo que luta tanto assim por causas nobres vocês tão bem totalitaristas, não? Chamando todos de homofóbicos e estupradores, ignorantes e errados. Querem um pouco de compreensão mais não compreendem ninguém. São o equivalente do machista que fala que todo cara que usa rosa é viado.”

      Já começou se desculpando pra que? Ninguem te conhece, segura a emoção amigo!
      Explica o totalitarismo, me mostra um discurso sobre vegetarianismo que seja tão totalitário a esse ponto de se sentir tão ofendido, sério.
      Homofóbico aonde? tá doido? Estuprador? Só se for pra insemiar vacas constantemente pro privilégio humano. Ignorantes todos somos e errados já faz muito tempo. Equivalente ao machismo foi complicado ein? Tenta entender o contexto do argumento meu amigo, por favor, leia direito antes de chegar batendo.

      “Calculem bem como seria um mundo com 100% de veganos, não apoie o totalitarismo só por que essa é a SUA escolha”

      Esse mesmo discursinho foi repetido em diversas situações históricas como por exemplo a libertação dos escravos, os direitos das mulheres e agora os direitos dos homosexuais. ” nossa imagina um mundo com negros andando por aí, imagina um mundo com mulheres livres andando por aí, imagina um mundo com gays andando por aí”….Calculem bem também. Até um veggie pouco informado sabe que “um mundo 100% vegan” é algo bem distante de acontecer, isso se acontecer…. é mais possível predizer que os países se mataram com ogivas por causa que gostam mais de azul do que de vermelho.

      Ainda é um dilema esse nervossísmo, quando mexe com o seu conforto, sua fúria histérica surge pra defender o que? Me poupe, o machinho individualista do “foda-se tudo e foda-se todos, eu faço o que eu quero, como o que eu quero, pois eu trabalho, tenho direitos e dinheiro” Parabéns que você trabalha, vai viver nesse molde durante 50~60~70 anos sem contestar uma vírgula a sua volta.
      Tem que rever esse conceito de totalitarismo aí tão mencionado, não são os vegetarianos que fizeram o capitalismo e toda sua trama de regrinhas e imposições.

      Como já disse, o blog é aberto pra discussões, vide conversas que tivemos com o Thiago Beleza e tbm com outras pessoas fora da internet, que são 40x mais civilizadas ao invés de chegar babando e xingando.

      * se isso te ofende, o blog é composto por um homem e uma mulher e grande parte das respostas foram feitas por mim, Jô, portanto só pq uma mulher é prioritariamente dona dos posts e do blog não lhe dá o direito de se impor como fodão patriarca da internet. Acorda pra vida e abraça tua sombra.

      • Hynx julho 14, 2011 às 9:55 pm #

        Quem aqui está nervoso, criança?

        Olha o tamanho da sua resposta, nem consegui ler tudo de tão tedioso e óbvio que é. Você não conseguiu absorver NADA do que eu escrevi. A cada linha que eu escrevi você formulou uma crítica. Não pensou…

        Se eu falo que o que você escreve é merda, não é por estar bravo com você, mas por que o sua opinião não acrescenta nada, só desconstrói.

        Até a parte onde eu li você criou diversas presunções sobre minha vida pessoal. A vida de alguém que você não conhece. Desculpe não responder a altura, portanto, mas acho que eu teria que descer MUITO.

        E querida, sem trolagem, ou zueira, ou briga, vá procurar ajuda. É claro que você é complexada com algo sobre homem, ou com algum homem, problemas com seu pai, ou algo assim. Por que você ataca todos os homens como se estivessem te atacando, e acham que todos estão discutindo com você por ser mulher. Isso é ridículo, discuti aqui por não concordar com sua opinião, não pelo seu sexo. Vai procurar um psicologo, sério. Não estou tentando te ofender, apenas acho que essa posição de eterno ataque contra homens é tão saudável quando a de um homem que acha que é sua obrigação bater na esposa.

        Não retornarei mais ao seu blog, então nem precisa aprovar meu comentário, estou escrevendo pra VOCÊ, não pra fazer show na internet ou pra me achar o “patriarca” ou seja lá o que você invente. Sério, não aprove… apenas tente retirar O MÍNIMO do que você pode desse texto pra sua vida, assim como eu tenho certeza que pelo menos um pouco eu retirei do seu, mesmo nao concordando comm sua posição e com o contexto geral.

        Um abraço!

      • krasis julho 15, 2011 às 12:23 am #

        Hynx, o Krasis é escrito por um homem e uma mulher. Somos um casal. Sexualmente ativo, afetivo e feliz. Eu poderia ter a buceta mais seca do universo que o seu argumento de resumir qualquer protesto em “histeria feminina” continuaria sendo hilariamente ultrapassado (até pela própria história da psicologia humana).
        Mas obrigada pelo xilique mesmo assim, me fez rir um bocado sugerindo que o meu namorado (que é quem estava falando contigo o tempo todo) fosse uma mau comida, com problemas com o pai (que descansa em paz). 😀

      • krasis julho 15, 2011 às 12:31 am #

        Não sei quem está nervoso, mas do jeito que você escreve e afirma com tanta certeza diversas coisas, parece que se senti muito nervoso e incomodado com a minoria.
        Criança? Daqui a pouco é obrigatório mostrar o RG e mostrar que nasceu a partir de 1985 para levantar algum argumento, essa é nova.
        Tu não leu o que eu respondi por que não quis, e isso é um problema estritamente seu!
        Não fui eu que cheguei falando que eu tenho problemas, vá buscar ajuda, vocês sao patéticos, comedores de alface, e etc.
        Os argumentos estão explícitos em diversos comentários acima, no post e em diversas matérias e wikis da vida, basta procurar se informar um pouco mais, pois aliás ninguém tem a obrigaçao de pegar na mão de algum acomodado e mastigar um conceito pra ela.
        Calma rapaz, não precisa me indicar psicólogos, se você está tão seguro de sí, pq não exerce essa função e trás a razão as pessoas?
        Que ataque contra homens? Tu sabe o mínimo possível sobre feminismo ou caiu no conceito do senso comum? Pra dizer que não estamos agregando nada, vai uma luz pra você Blogueiras Feministas, EscrevaLolaEscreva, AquelaDeborah, SouMinha, WhoTheHellisCely…e por aí vai. Ah tu quer mais coisa mastigada? http://pt.wikipedia.org/wiki/Feminismo , quer mais? Vai ler Simone de Beauvour, Valerie Solanas, Judith Buttler, Camille Paglia, Susan Faludi….blablabla, coisa chata né? Mas provavelmente deve estar de saco cheio disso, prefere o Achismo e o Comodismo.
        Boa sorte, se quiser voltar aqui um dia, será bem vindo e traga argumentos mais éticos e discutíveis ao invés de cuspir pra cima.

  20. Lélandi Calil de Assis julho 14, 2011 às 8:35 pm #

    Acho uma tremenda ilusão essa defesa de animais de corte antes da defesa de uma educação pras crianças ou de segurança pra população em geral. O caralho que machismo mata. Drogas matam INFINITAMENTE mais. Falta de educação (em todos os sentidos) idem. Educação não é escola, educação é o bandido filho de uma @#$! ser punido quando comete o crime. E se ele é reincidente, que seja dado um fim de vez no mesmo. Defender animais enquanto sua raça está morrendo de inúmeras formas, inclusive ignorância, é o mesmo que poupar água pra coca-cola vir e usar tudo no refrigerante. Uma bela de uma perda de tempo.

    • krasis julho 15, 2011 às 12:57 am #

      Calma Lélandi, não dá pra chegar atropelando uma causa em cima da outra!!!
      Veganismo fala pelos animais! Não carrega o mundo nas costas, portanto não é uma ilusão dizer que “enquanto tem criança sem educação e saúde o pessoal tá salvando bichinho”.
      Mas te digo, se ninguém faz isso, quem o vai fazer? Esse mesmo argumento pode se reverter de “quem ajuda na saúde, educação e anti-drogas, ignora os animais de rua” Sacou??
      Portanto, há diversas lutas, como já disse em outro comentário, muitas pessoas AGREGARAM diversas lutas Veganismo+Anarquismo+Feminismo+Anti-Racismo+Anti-Homofobia+Ateismo+Anti-facismo+Anti-drogas e pro aí vai….. Mas cada um faz um ou mais papéis, que sou eu pra dizer que luta tem q vir primeiro? Pra quem defende alguma coisa, a prioridade é a luta del@ sempre!!! Ou estou errado?
      Então é complicado dizer que o humano tem que vir primeiro acima de tudo, não somos a única espécime na Terra e nunca seremos, viemos depois de muitos e nos achamos os donos do universo com uma convicção divina, só pq temos um Tele-encéfalo mais desenvolvido não nos torna superiores a nada! Não podemos voar por conta própria e nem respirar embaixo d’gua, não enxergamos no escuro e nem corremos há 55km/h. Enfim, concordo que existem inúmeros problemas…educação, saúde, drogas, poluição, capitalismo, consumismo, guerras e etc. Mas quais são as prioridades? DE QUEM TEMOS QUE COBRAR ISSO? Da minoria que escolheu parar de comer carne? Ou de meia dúzia que ganha 16mil por mês e senta a bunda no senado?

  21. Francine Oliveira julho 14, 2011 às 10:03 pm #

    Adorei o artigo, simplesmente adorei! Não tenho argumentos contra vegans, mas não consigo nem mesmo ser vegetariana. Adoro comida vegana, como feliz, mas não vivo sem alguns pratos que levam carne – e já tentei comê-los em versões vegetarianas, mas não são a mesma coisa, apesar de saborosos, para mim não são nem os mesmos pratos, chatices minhas. É engraçado, não vou narrar todos os meus esforços para me tornar pelo menos vegetariana e as brigas com meu pai me obrigando a comer pelo menos frango, contudo, não sinto, necessariamente, culpa.

    Aqui em casa rola uma política de procurar pelo que seja mais ambientalmente correto possível – verduras orgânicas, mais recentemente, também carne vinda de fazendas de abate que buscam a diminuição do stress do animal na hora de matar (sim, isso existe, sim, continua sendo cruel, sim, não dá pra acreditar, não, acho mesmo que esse tipo d criação seja válido, apesar de parecer meio ingênuo da minha parte). Fora isso, levo o estigma de ser onívora, não me orgulho, mas agora já não luto contra.

    E admito, acho o discurso vegano um pouco chato… aliás, todo discurso extremo demais, excessivamente engajado, fica chato. Há um limite tênue entre ser politizado e ser extremista e é bem fácil ultrapassá-lo… e por mais que ser engajado signifique lutar e defender uma causa com unhas e dentes, quando atinge um nível exagerado, a causa é vista de forma negativa por ficar atrelada ao chato que a defende – ou seja, quem está de fora deixa de levar a sério. Aí é que está o problema.

    • Lélandi Calil de Assis julho 14, 2011 às 11:00 pm #

      Eu não acho que é chatisse comer o que se gosta. Gostaria até de complementar minha resposta depois de ver a sua. Acredito que a evolução é sermos vegans, mas isso NUNCA deve ser imposto, como se tenta, e sim adiquirido com melhorias pra todos e não pra uma parte da população. Muito bonito falar que comer verduras é bom, mas muito poucos dos que têm esse discurso, saem pra fazer o bem pra outras pessoas. Querem apenas impor que ser vegetariano é bom.

      • krasis julho 15, 2011 às 12:43 am #

        Sinceramente devo elogiar a sua disposição para responder decentemente, diferente de outras pessoas que não tem essa paciência (nao me pergunte pq)

        Sim e não, biologicamente é difícil predizer que nossa evolução possa chegar nesse nível de “sermos totalmente vegans” pois os patamares evolutivos são como raízes, portanto podem seguir caminhos diferentes. (é nisso que consiste nossas diferenças raciais).
        COM CERTEZA nunca algo deve ser imposto, mas sim conscientizado que é muito diferente!!!!!
        Só não concordo que um vegan ou vegetariano tente impor isso as pessoas, pois se o discurso é bomzinho e agradável, ele nao atinge, ele nao funciona. É só ver o porque de existir documentários mostrando as verdades sobre a exploração e matança animal, é cruel? É!, é chato ver isso? É, é apelativo? Também é! Mas é uma demonstração da realidade e não uma invenção. Veja bem, esses materiais nao agem com intuito de impor algo, mas demonstram o que acontece na realidade e te perguntam algumas vezes “você se senti feliz com isso? sabendo que tão arregaçando filhote de vaca na marreta?” Se uma pergunta for imposição, opa! larguem os livros!
        Então é isso, achei bacana sua opinião e te recomendo, se assim quiser, ler um pouco a respeito do assunto “vegetarianismo ou veganismo”, e não se preocupe pois não é um culto de ódio aos que comem carne.

      • Lélandi Calil de Assis julho 15, 2011 às 1:03 am #

        @Krasis. Seguinte, se um energúmino fala que a comida dele caga na sua e vc dá atenção pra uma pessoa assim, o problema não está nele. Isso é opinião pessoal, pois limite é algo de cada pessoa.

        Agrupar um monte de realidades atuais pra justificar o vegerianismo (existe?) não convence.
        Sou EXTREMAMENTE contra apologia ao homosexualismo e nem por isso sou homofóbico.

        Acredito que cada singularidade do humanóide tem um valor, mas que sem uma melhoria geral, não seremos nada. Pensar que nossas decisões influenciam no mundo é muita pretenção. Não somos nada, pois não nos entendemos (uns aos outros e a nós mesmos.)

        Mas é isso aí, respeito sua luta, mesmo não concordando no geral. Um abraço!

      • krasis julho 15, 2011 às 1:21 am #

        Verdade, mas algumas vezes tentamos no mínimo informar algo pra pelo menos esses energúminos se informarem melhor, nem que seja 0,1% eficaz.

        Então, não é apenas agrupamento, que foi apenas para exemplificar, mas vai além disso tem muitos conteúdos de diversos que tratam do assunto, sejam eles científico, político, audio-visual, artigos, matérias, livros, seminários, debates e etc. Se isso não serve de nada, então o que poderia servir?
        Desculpe, orientação sexual é uma outra discussão que também é amplamente discutida, mas pelo menos agora não vou entrar nisso.

        Então, se cada singuralidade tem um valor, a união de singuralidades próximas transformam, moldam ou revolucionam algo não é? Pq que nossas decisões seriam pretensões? A Pretensão de UM formou uma ogiva nuclear, a pretensão de OUTRO formou o nazismo, a de mais UM a libertação de escravos e por aí vai….podemos não ser nada, a pós-modernidade nos faz pensar assim, a imensa quantidade informação que temos hoje, a saturação midiática, as religioes, os detentores de riquezes vão nos torna menores e cada vez mais pequenos. Então uma luta por mais invisível que seja, pode se tornar tão pretensiosa que atinja a todos. E não falo apenas de lutas que visam “melhorar” alguma coisa….tem coisa por aí crescendo paralelamente e com intensões muito piores, corrupção, neo-nazismo, drogas.
        Mas valeu pela opinião, Abraços!!

  22. Juvas julho 15, 2011 às 12:47 am #

    Sacanagem colocar a tira do Salimena. A idéia da tira não é o que vcs defendem. Agora concordo numa coisa com ambos, carnívoros e vegans tem se especializado em ser chatos pra caralho.

    • krasis julho 15, 2011 às 1:42 am #

      Não entendi, o que a tira quer dizer afinal? Ele fala do consumo do leite!!! Tá bem claro isso não? o_O

      É bom ser chato, melhor ser chato do que ser apático concorda? =D

  23. Blog Contravento julho 15, 2011 às 1:04 am #

    Porrada. Certeira. Muitos kisses!

  24. Kaique julho 15, 2011 às 1:32 am #

    Bom, eu não costumo desperdiçar palavras comentando coisas que eu leio na internet, porém, fico muito feliz de por um acaso ter chegado ao seu texto. O que eu tenho para te dizer mesmo é parabéns pelo texto, parabéns pelas idéias, acho que você sintetizou muito bem o que se passa na cabeça dessas pessoas. É engraçado como nos últimos dias o grau de violência contra os vegans aumentou, curiosamente sobre o pretexto de como nós somos chatos e intolerantes, ora, eu nunca vi um vegan vociferar contra um carnívoro como a dieta dele é ruim, o que eu sempre vejo quando me sento à mesa com “amigos” são as piadinhas deles, as críticas deles, eu e nenhum vegan que eu conheço jamais dissemos nada a quem come carne, sem que nos fosse perguntado antes. A impressão é que a tão falada chatisse vegan , está simplesmente na nossa escolha de vida, que por motivos que eu não entendo, incomoda tão profundamente as pessoas.

    Mas como você muito bem elencou, a covardia humana contra minorias ou classes com menos privilégios existe a muito tempo, eu arrisco a dizer que existe a tanto tempo , mas tanto tempo, que nunca vai cessar de existir. Dessa forma, seu esforço em forma de desabafo para tentar esclarecer as coisas para quem não quer sair de sua região de conforto, embora louvável, é inexoravelmente em vão. É triste, mas de qualquer forma foi bom lembrar que ainda existe gente como você no mundo!

    • krasis julho 15, 2011 às 1:37 am #

      Muito digno! não tenho mais palavras!
      Valeu!!

  25. Jonas Freitas julho 15, 2011 às 3:22 pm #

    parabéns, ótimo texto, muita repercussão.
    Vai vegan!

    =)

  26. Caronte julho 15, 2011 às 4:05 pm #

    Ah, as simplificações… Colocar no mesmo balaio certas coisas não me parece mto lógico. Somos onívoros: fato. Racismo, homofobia etc: Em geral são derivados de questões culturais e sociais.

    Saiba diferenciar: coisas do âmbito humano que são sem sentido, derivam do medo e atrapalham nossa espécie como um todo, coisas que realmente são um fato e não tem relação nenhuma com empatia. Eu não sinto empatia por uma galinha, mas sinto por um bebê, simples assim, vc pode até estar certa, mas seu argumento não convence. E é isso que as pessoas sentem, se essa era um das perguntas do texto, está respondido.

    Texto interessante para entender seu raciocínio, mas argumento fraco.

    Além disso, uma questão biológica interessante, quase não é um argumento: qual o objetivo da vida de qquer animal? Ter o máximo de descendentes. Bom, qquer animal domesticado é um vendedor, olha o tamanho dos rebanhos. Talvez por isso as espécies se deixaram domesticar, do ponto de vista evolucionário é vantajoso.

  27. jey julho 15, 2011 às 5:44 pm #

    excelente texto.
    já enjoei de ouvir “ai vegetarianos são a raça mais insuportável” sem nem abrir a boca pra falar sobre isso. E “nossa que assunto chato, tá chega” quando alguém me PEDE pra explicar sobre isso.
    É incrível como as pessoas se sentem coagidas só porque falamos que não concordamos com abuso de animais como se estívessemos fazendo algo absurdo.
    logo quando me tornei vegetariana meus amigos onivórios resolveram que era muito engraçado dois deles me segurar pelos braços enquanto o outro me forçava a comer um pedaço de carne mal passada pingando gordura e sangue. Só consegui me soltar porque tinha conhecimento de defesa pessoal. Ou seja, quase todo mundo ficou indignado porque me debatendo pra me soltar dei um tapa na mão do menino e joguei a carne no chão e não porque três homens mais fortes que eu me foraçaram a comer carne “porque vai como isso e fala que tu não gosta” e não porque eu gritei, esperniei e fiquei com marcas quase roxas nos meus braços pela força com que eles me seguraram.
    E ainda fiquei conhecida como a louca que não come carne e chata vegetariana.
    A parte mais engraçada é que eu NUNCA abri a boca pra falar mais do que “parei de comer carne”

    • krasis julho 15, 2011 às 6:00 pm #

      Jey, que extremamente escroto e ofensivo o que fizeram contigo.
      Não tenho nem palavras! Se tu tivesse enfiado os punhos na cara desses infelizes eu ainda acharia no mínimo justo.

      Cotidianamente somos obrigados a ver esse comportamento alheio, além da carcaça de nossos amigos penduradas em vitrines. Se posicionar contra isso é ganhar rótulo de radical, chata e louca.
      Antes tudo isso do que exploradora sem escrúpulos. Me enoja a falta de ética desse tipo de gente, de verdade.

      Conte sempre conosco.

  28. xCleutonx julho 15, 2011 às 6:20 pm #

    Perfeito o texto, continue na luta!

  29. A cebola que disse "jamais". julho 15, 2011 às 6:27 pm #

    Ninguém quer lidar com uma verdade básica sobre o meio-ambiente: Você não pode impedir impactos ambientais.

    No mais, o rapaz que aparece no video do Carnivoros Song é o tipo de pessoa que seria absurdamente rejeitada pela elite “troohardcoreana”.

    Bônus: http://30.media.tumblr.com/tumblr_lc4846JuAn1qelyy1o1_500.jpg

  30. Felipe julho 15, 2011 às 7:21 pm #

    Hmm.. Só uma coisa:
    Quando vc dá a entender que comer bacon é o mesmo que estuprar uma mulher, você tá sendo xiita. ‘-‘
    Quando vc diz que as pessoas são obrigadas a ouvir as reivindicações sem questionar, você tá sendo bastante tendenciosa… É difícil pra muitas pessoas entender mudanças bruscas de comportamento. Do jeito que a coisa anda, e alguns comentários que vejo no facebook, eu imagino que a tendência é mesmo ligada ao terrorismo. É só ver alguns comentários das pessoas sobre a biodiversidade e a água que vc vê como são parecidas.

    Tem que ver esse fanatismo aí.
    Não estou dizendo que não ligar é uma coisa boa. É ruim. Mas temos que ter cuidado com o modo como falamos as coisas.

    Sim, os privilégios existem :\ mas daí você achar que todo mundo tem que lutar por tudo que se acha políticamente correto hoje em dia é ser muito naïve mesmo. Eu, por exemplo, sei que por sendo homem branco tenho vários privilégios, mas não concordo com o machismo/patriarcado imposto na nossa sociedade, nem o preconceito étnico e o racismo, mas não acho que isso implica que eu tenha que lutar pelos direitos dos animais não serem comidos. Eu sei que é difícil pros ativistas entenderem que eu não me sinto uma má pessoa quando eu como minha refeição ‘-‘ Sorry ‘bout that.

    • A cebola que disse "jamais". julho 15, 2011 às 8:06 pm #

      Inserir emoticons no texto faz uma pessoa menos xiita?

      • A cebola que disse "jamais". julho 15, 2011 às 8:08 pm #

        Não, espera…

        Inserir emoticons no texto faz uma pessoa menos xiita? :\

      • Felipe julho 16, 2011 às 6:29 pm #

        A função do emoticon é enfatizar que eu estava digitando como se estivesse conversando cara-a-cara. Eu não me sinto muito confortável em não demonstrar como estou me sentindo enquanto converso casualmente 😛

        E era só isso mesmo que vc queria dizer? :}
        pô, eu dei minha opinião, não trollei ninguém o.o só queria uma conversa racional. E sim, os emoticons fazem parte da pós-modernidade tanto quanto um nick non-sense como “A cebola que disse “jamais”. Então não me trolle, porque nenhuma “causa maior” justifica fazer com os outros o que não quer que façam com você u_u malditx Stalin.

        E, pensando bem, usar emoticons (uma característica) foi o suficiente pra que você não levasse meu comment em consideração? E você quer falar de preconceito?

      • Wald julho 18, 2011 às 6:09 pm #

        Excelente respostas, Felipe.

      • Wald julho 18, 2011 às 6:09 pm #

        Excelentes respostas, Felipe.

  31. eusomus julho 15, 2011 às 11:37 pm #

    Eu acho uma covardia o que os vegans fazem.
    A beterraba tá lá, quietinha, na dela, sem fazer mal a niguém.
    Derepente chega um vegan psicopata arranca a coitada do chão, arranca suas folhas,e sem dó nem piedade jogam as pobrezinhas na agua fervente, e depois de algum tempo nesse sofrimento,não satisfeitos ainda as cortam em pequenos pedaços e as devoram.
    Isso é desumano.
    Gente, vamos fazer uma campanha:
    SAVEM OS VEGETAIS!!!

    • krasis julho 18, 2011 às 6:52 pm #

      trolololo lololo lololo

    • A cebola que disse "jamais". julho 19, 2011 às 2:34 am #

      Eu estava me referindo ao que você disse aqui:

      “Do jeito que a coisa anda, e alguns comentários que vejo no facebook, eu imagino que a tendência é mesmo ligada ao terrorismo. É só ver alguns comentários das pessoas sobre a biodiversidade e a água que vc vê como são parecidas. Tem que ver esse fanatismo aí. Não estou dizendo que não ligar é uma coisa boa. É ruim. Mas temos que ter cuidado com o modo como falamos as coisas.”

      Sim, com certeza. Tem que ver esse fanatismo e terrorismo, aí.

      Pare com esse emoticonismo radical, Felipe. Inserir emoticons não faz o seu discurso se tornar mais cool-teenager ou menos terrorista, como você acredita.

      Tanto faz, dá na mesma, ninguém liga.

  32. eusomus julho 15, 2011 às 11:43 pm #

    ISSO FOI SÓ UMA PIADINHA, HE HE
    Eu não sou vegetariano, mas ultimamente tenho visto muita coisa a respeito.
    Não que eu vá mudar meus hábitos alimentares, mas, é sempre bom ver outras opiniões.

  33. andré julho 16, 2011 às 12:09 am #

    vamos fazer assim entaum!! alem de parar de comer carne vamos acabar com odos os animais carnivoros…pq onde ja se viu um animal se alimentar de outro neh!?!?! q tal as dietas de grandes felinos agora ser soh soja?! ou quenm sabe caraço de algodão!? vamso dar alguionhas paras os tubarões eoutros animais marinhos e de agua doce que são carnívoros pq onde ja se viu eles comerem os outros pobres e indefesos animaizinhos q vivem em uma sociedade igualitária em atlantis no fundo do mar!!
    vamos ensinar aos ursos que ao invés de pescar peixes nos rios ele deveria aprender com seu irmão chinês a comer bambu!!!
    ahhhhhh como disse o rapaz no viedo mencionado na matéria: “enfia seu homus no cú” pa a minha comida não caga na sua…mas com ctz vc usa a bosta dela para fazer crescer a sua!!! e antes q vc fale q naum tenho embasamento para ditar tais fatos!! sou zootecnista!!

    • krasis julho 18, 2011 às 7:04 pm #

      Não podemos misturar meios de vida urbanos, construídos por humanos de forma totalmente artificial com um meio natural selva/floresta.

      Nenhum veggie em hipótese alguma diz que um animal carnívoro está errado, onde ja se viu isso, chega a ser estúpido pensar assim?!?! Aquele é o meio de sobrevivência dele, ou seja, ele NÃO ESCOLHEU por aquilo…está apenas sobrevivendo ao seu habitat.
      Humanos tem habitat natural? Nós construímos o nosso habitat, nós plantamos a nossa comida, criamos a nossa economia, moradia, roupas, armas….TUDO!!!….. VOCÊ NÃO ESTÁ NA SELVA!!!! e não está disputando uma carcaça aberta no meio da relva com outros animais, do contrário, você está disputando um espaço da fila do supermercado para comprar sua salsicha processada ou seu engradado de coca-cola. Não basta enxergar que temos o poder de controlar quase todo ambiente, e mesmo assim não temos o direito sair matando e destruíndo tudo?
      Se você quer disputar em pé de igualdade com algum outro ser, vá pelado para a selva e mate um crocodilo no dente. No mínimo ele nao hesitará em te almoçar ou se defender da ameaça.
      Sinceramente, não me importo se você é zootecnista e quer bater crachá de imposição culta da norma acadêmica do saber. Ao menos leu Darwin? Ele já explica tudo isso e bem objetivo.

  34. Camila Oliveira julho 16, 2011 às 11:59 am #

    Muito bom debate! Estou há horas lendo (e não li tudo ainda!!)
    Sempre fui onívora e nunca convivi com vegetarianos/veganos, até que um belo dia, numa lista de discussão sobre um outro assunto rolou uma mensagem sobre vegetarianismo e eu decidi “revidar” a uma mensagem de que comer carne era errado, com minha opinião de quem nunca tinha parado pra pensar no assunto. Resumidamente, rolou uma discussão/debate e acabei conhecendo vários documentários e sites a respeito. A partir daí o assunto não saiu mais da minha cabeça e em novembro do ano passado decidi cortar radicalmente a carne bovina do cardápio. Confesso que foi muito fácil, pois dá pra substituir por outras carnes. Mas meu objetivo é retirar alguns elementos do cardápio, como o leite (que já não consumo muito, mais em receitas que sempre levam leite..) e passei a pensar no consumo de leite após ver uma tirinha por aí com uma vaca dizendo “se nem sua mãe te dá mais leite, pq eu tenho que dar?” (algo assim). Parece óbvio pra quem está imerso nessa cultura né? Mas pra mim não era. Também vi uma vez um adesivo na bicicleta de uma moça: “torturar um animal é crime, torturar vários animais é ciência?” e a partir daí passei a pensar muito no assunto.
    Acho que a abordagem dessas causas não pode ser doce e delicada, senão passa despercebida. Ela tem que ser sim provocativa, nem sempre muito simpática, pois o intuito é gerar o debate e estimular a reflexão.
    Mas o que eu sinto falta mesmo com relação aos grupos vegetarianos/veganos é uma falta de “suporte” para quem decide aderir. Não encontrei ainda um grupo, blog, sei lá, um espaço pra tirar dúvidas básicas de como preparar a soja por exemplo, onde comprar as coisas e etc. Claro que não acho que exista uma obrigação de fazer isso né, mas acho essa ajuda é fundamental. Agradeço se me indicarem um espaço pra isso.
    Mas acima de tudo, queria que vocês soubessem que a luta não é em vão, que um adesivo pode fazer uma pessoa mudar, um blog pode ser transformador. E que existe muita gente sensível e aberta a novas idéias por aí, mas elas precisam de alguém que as cutuque, as provoque, e isso vocês sabem fazer bem, só não precisa fazer o onívoro se sentir assassino né, hehe
    bjs

  35. Pata julho 16, 2011 às 1:30 pm #

    Meu deus, como nós veganxs somos chatos, olha só quantos de nós viemos até um blog com o qual não concordamos falar mal de quem da sua opinião no seu próprio blog e … oh wait!

  36. Mario Neis julho 16, 2011 às 1:48 pm #

    ‘sou contra a exploração animal, por isso só compro produtos originados da exploração humana’

    um dos comentarios que diz bem o que penso, veganos chegam a ser vegangélicos, extremamente fundamentalistas, é tão chato conversar com um deles quanto com um testemnha de jeová

    se voce cria uns frangos no seu sitio eles correndo livres todos faceiros e fagotes, e dia ou outro voce usa um deles para alimentação, na mente restritiva dos veganos padrão voce é um herege que emrece a morte

    deveria comer somente coisas naturebas, sendo que o ser humano evoluiu (biologicamente falando) graças ao consumo de carne, até hoje simios consomem carne volta e meia,,,

    o discurso tem que mudar, ser onivoro eventual é saudavel, o que deve ser compatido com essa força de vontade chata deles, é a forma capitalista de venda de carne, trocar o “NUNCA coma carne, para coma o que voce quiser, com parcimonia”

  37. Vitor Vitali julho 16, 2011 às 2:23 pm #

    “Humor.”

  38. Felipe Q julho 16, 2011 às 2:31 pm #

    Caramba, fiquei impressionado com esse texto, falou um monte de coisa que eu concordo. É engraçado porque essa onda de “anti-politicamente correto” enche o saco pra caralho. É o novo “politicamente correto”. É nego defendendo o direito de chamar nego de nego, é gente pedindo a cabeça da presidente (a) em nome da democracia, é gente aplaudindo o Bolsonaro, é gente criticando a Fashion Week por ter cota pra modelos minorias (isso até que a gente tem que convir que é uma babaquice, né? COTAS PRA NEGROS EM UM DESFILE DE MODA? VAI TOMAR NO CU!).
    O pior é ver bostões como esse Cauê do vídeo relatado pagando de porta-voz da juventude macho 2.0, enquanto é só um babaquinha com uma câmera digital. Dá pra acreditar que não dá nem pra xingar ele de filho da puta nos vídeos do youtube dele? É, ele censura. Macho pra caralho, né?
    Isso me lembra de um vídeo daquele Felipe Neto em que ele fala de preconceito. Não, não, ele apenas cita brevemente o preconceito contra negros e homossexuais, esquece o especismo, o sexismo e o preconceito religioso e elege como os tipos de discriminação mais preocupantes aqueles praticados contra pessoas bonitas (!) e ricas (!!!). O pior é que eu não estou brincando.
    Temos que ser realistas, eu nem sou vegan, mas sei a importância da causa pros nossos coleguinhas de planeta. Sei que não posso mais empurrar com a barriga a minha mudança de comportamento alimentar e sei que PUTA QUE PARIU, QUEM ARGUMENTA CONTRA A CAUSA VEGAN É UM BABACA DE MERDA! Você não se sente nem um pouco culpado? PUTA QUE PARIU! TORTURA, ASSASSINATO, GENOCÌDIO DE SERES SENSIENTES, PORRA! E sim, eu sei que a solução é só assistir Terráqueos novamente (assisti há uns 3/4 anos atrás e me tornei vegan por quase um mês) e botar a força de vontade pra funcionar com força total, no entanto, eu sou um procrastinador contumaz e eu tenho que parar de fumar, dar um jeito na vida, entre um monte de outras coisas… Mas eu sei que os vegans estão certos.

    • krasis julho 18, 2011 às 6:50 pm #

      Sensacional kra!!
      Como já disse, há sim a possibilidade de diálogo entre veggies x onívoros, é só ver como o Felipe Q enxergou o mínimo de informação que rola por aí. Não somos que impomos isso a ele, mas o mesmo teve acesso a informação dos fatos por conta própria. Se não houvesse alguem para apurar esses fatos, estaríamos a mercê da apatia.
      E também não precisa ser uma questão de quem está certo ou errado, mas sim de “o que estamos fazendo? e pq estamos fazendo isso?”

  39. Leonardo julho 16, 2011 às 4:29 pm #

    Excelente texto. Acho que os hormônios colocados na ração devem afetar significativamente a atividade cerebral dos cadaverófagos. O imbecil deveria saber que ele come a bosta que a comida dele cagaria – como você bem disse, se cagasse na horta – sobre o alho e a cebola que ele usa para tempero, também na cevada usada para a cerveja que ele toma. Mas o processo evolutivo acabará por fazê-lo evoluir, pelo menos, ao nível de um porco. É a bandeira do “sou ridículo com orgulho, quero que todos saibam”. Cabe o conselho do vegetariano Pitágoras: “cala-te, ou dize coisas que valham mais que o silêncio”.

  40. Felipe_Fr julho 16, 2011 às 4:39 pm #

    Engraçado.

    A um tempo atrás, toda semana recebia emails, via noticias de protestos públicos contra consumo de carne e aparecia algum documentário mostrando como os animais sofrem no abatimento e no processo para se tornar “industrializavel” para o consumo humano. Era uma onde de politicamente corretos tentando mostrar que quem gostava de carne era errado, quase que impondo a visão de que nós carnivoros deveriamos mudar a nossa forma de viver.

    E hoje, quando alguém faz um video em prol dos carnivoros, ou defende uma causa mais “conservadora”, essa pessoa é chamada de “anti-politicamente-correto” (leia-se, direitóide gorfador de opiniões conservadoras e que pretende manter seus privilégios no topo da sociedade, como sempre foi)”. Eu conheço o vlog ao qual se refere esta matéria, e quem quer que acompanhe, sabe que é um vlog de humor nada puritano, então, no mínimo a pessoa está dando uma resposta aos “politicamente corretos que não quer manter seus privilégios” e blablabla.

    A mode pode ter dois lados, mas continua sendo a mesma moeda no final das contas. É isso que essa matéria me pareceu.

    • krasis julho 18, 2011 às 6:42 pm #

      Na verdade esses emails ou protestos contra a exploração e consumo de carne tenta demonstrar o que e como fazemos para conseguir um bifinho na bandeija de isopor. Mostra na real, a chacina de milhares de animais para o consumo e privilégio de nós humanos. Não sei até que ponto isso pode parecer “politicamente correto” pois é uma demonstração de fatos e não discurso religioso como muitos falam. Como ja disse, nao conheço nenhum veggie impondo que os outros sejam como ele, assim como o fazem contra eles.
      Esse lance do “anti-politicamente-correto” é algo bem complicado, pois abre diversas brechas para disfarçar preconceito de humor, vide Rafinha Bastos, Danilo Gentilli, Marcelo Tas e etc, disfarçam seus ideias de “estupro, homofobia, gordofobia..etc” com a desculpa de apenas humor.
      Desculpe mas essa de que “no mínimo a pessoa está dando uma resposta aos “politicamente corretos que não quer manter seus privilégios” ” é um tanto perturbadora, nesse caso podemos dizer que estamos livres para cultuar ódio há algo ou alguem. Outra, o indivíduo daquele vlog não está dando resposta a ningúem, e sim formando opiniões de ódio a quem se difere do padrão, no caso, de quem não come carne, não é heterosexual, não é machão suficiente, descolado e etc…
      Não me parece a mesma moeda, as causas sao diferentes, assim como seus efeitos. Não são vegetarianos que forçam brócolis na boca dos onívoros. (estou me baseado em relatos e nao generalizando que todos façam isso ok?)

  41. Thailan julho 16, 2011 às 6:04 pm #

    Os meios de produção para sustentar o consumo de vida animal são desagradáveis mas não são difíceis de engolir. Questões sobre a conservação da vida animal são de extremas importância,mas não consigo apoiar opiniões que são abordadas puramente em motivos passionais.É fato, que humanidade precisa achar uma solução para a conservação da vida na terra, obrigação moral e ética que vem emergindo desde a constatação da nocividade de nossa espécie contra o resto do planeta.Entretanto, pergunto-me se a extinção da pecuária seria uma solução para a fome do planeta e um meio de respeitar a vida animal. Creio que os conceitos devem ser mais aprofundados para a resolução destas questões.

    Nos moldes do capitalismo é impossível imaginar uma sociedade que venha a viver sem consumo de carne e derivados,Tente falar a algum representante da classe baixa que os alimentos de origem animal são inadequados para o consumo(motivos morais),sendo que este é um alimento bom e nutritivo.
    Lógico,ainda resta o livre arbitrio, condição que somente o homem é dotado.
    Quem acha que o consumo de carne é errado sempre poderá não comer,assim como quem não ver problema nenhum.

  42. Felipe julho 16, 2011 às 6:36 pm #

    Estava conversando com minha irmã outro dia, e o problema não é simples o fato das pessoas serem vegetianxs ou vegans, é essa ênfase criminal que se dá. É a falta de empatia com quem (ainda desenvolveu ou simplesmente) não tem empatia (estranho, eu sei). Eu sei que é complicado quando sabemos que não precisamos de produtos de origem animal e que isso é só um hábito, eu sei disso, mas quando eu penso numa refeição eu penso em carne 21 anos de hábitos e influência midiática faz isso com a gente.
    Muitas mudanças acontecem aos poucos, mas precisa de luta pra isso (dias de vitória como dia sem carne). O problema é quando viram pra mim e falam comigo num tom semi-religioso de que eu vou arder num Inferno na Terra porque não fui iluminado pela lógica ainda. Então, ok, ser vegetariano é uma boa coisa, mas eu não nasci vegetariano (e muitos vegetarianos também não) porque de repente as pessoas precisam entender (e se elas não entenderem, elas não “evoluiram ainda”) elas merecem tantos posts e comentários malignos que vejo no facebook e em alguns blogs ativistas?

    Não teve um cantor aí outro dia que parou o show porque sentiu cheiro de carne (tinha um cara comendo um espetinho ou algo assim) e ele falou “sinto cheiro de carne e queira Deus que seja humana”

    É o que eu tava falando, o cuidado está em saber como passar essa informação.

    (Sem emoticons dessa vez hum.)

    • krasis julho 18, 2011 às 4:53 pm #

      Não diria que veggies tem o intuito de dar ênfase criminal, mas de demonstrar como tratamos outros seres, que mal podem se defender de nossas técnicas e máquinas.
      Claro que muitas mudanças acontecem aos poucos e não da noite para o dia, mas essa questão de “semi-tom religioso” eu nunca vi acontecer mesmo!! Nem quando eu era onívoro presenciei isso e nem depois de conhecer 200~500 vegetarianos/vegans ouvi ou vi algo desse tipo. Quase ninguém nasce vegetariano, isso é fato, e já parou para pensar pq isso é um fato? Pois ao nascermos e crescermos até certa idade em que não tomamos nossas “próprias escolhas”, somos prioritariamente onívoros por construção social padrão. Poderia dizer que essa mesma coisa acontece com a orientação sexual, nascemos e aprendemos que o certo é ser heterosexual e nada mais. “Pow mas o indivídu@ nem teve a chance de ao menos vivenciar o que lhe interessa!!!!” Somos reprimidos desdo berço.
      Mas voltando ao assunto, aposto que você nunca topou com algum vegetariano que te apontasse o dedo na cara e ficasse horas dizendo que o que você está comendo é errado, pois geralmente esse tipo de situação é inversa, essa cobrança nervossíssima acontece mais dos “não vegetarianos” para os vegetarianos do que o contrário. Desconfio que há uma reapropriação dessas idéias (backlash), justamente para formar uma base contra quem opta por não consumir carne, pois sinceramente, em 26 anos eu nunca presenciei ou li algum relato sobre esses “vegangélicos” que afrontam as pessoas nas ruas. (um exemplo desse afrontamento se encontra no relato de uma mulher que comentou aqui mesmo, de “amigos” que seguraram os braços dela para enfiar carne na boca a força, apenas pq ela se tornou vegetariana, além de causar danos físicos a mesma……vc ja viu um veggie forçar alguem é comer tomate dessa maneira?)

      O cantor foi o Morrisey do The Smiths, o mesmo é vegetariano, a atitude dele é expressamente dele, não podemos tornar a exceção uma regra a todos os vegetarianos. Se ele se sentia incomodado com isso, ok, ele tem todo o direito disso.

  43. Alex julho 16, 2011 às 7:13 pm #

    Ótimo texto! 100% mesmo!

    Eu já estou de saco cheio de pessoas me perguntando porque não como carne. Me deixem em paz! É minha escolha e não preciso dar satisfacão da minha vida pra ninguém. Eu não me meto na vida dos carnívoros então não se metam na minha.

  44. Homer Simpson julho 17, 2011 às 2:28 am #

    “Se a carne pudesse, ela te comeria…”

  45. Francisco julho 17, 2011 às 3:27 am #

    Poderia até ficar chateado com você, mas como “matéria fecal” pode ser considerada adubo (olhe que coincidência com o título do post) vou considerar como um elogio.

    Não sei se notou também (antes de ficar furioso) que existiam aspas nos possíveis erros de digitação, e você, como provável defensor do português correto deve saber em que tipo de recurso nós se utilizamos dela.

    Sugiro também que inverta o trecho da sentença “incentivava a prostituição e o extermínio de não-humanos” para “incentivava o extermínio de animais (aqui você pode colocar não-humanos se quiser, só para complementar) e a prostituição”, pois da forma como colocou parece que sugeri que façamos sexo com animais (nossa como vocês deturpam as coisas, heim?), afinal alguém que leia depressa como você pode deixar de reconhecer “e o” e reconhecer apenas “e”, assim como foi feito com minhas aspas.

    A propósito, gostaria de saber se a autora do post é livre de preconceito, e se possível a definição da palavra por ela mesma, ou seja seu entendimento da palavra preconceito.

    Grato pela atenção.

    Ps. Se quiserem deletar este comentário (também) porque “incita” alguma coisa, sintan-se a vontade, afinal a esquerda nunca foi tão liberal quanto nos nossos dias, vide cuba, china, ex-urss, etc,etc, etc… Proudhon, Bakunin, Marx, devem se revirar no tumulo agora. Proudhon e Bakunin nem tanto, já que o anarquismo nem chegou a ser mais que uma ideologia, mas Marx não, esse deve estar se debatendo com a deturpação de seus textos… Também pudera, Bakunin vivia falando que o maior problema do comunismo era o poder, que não adiantava tirar o poder da mão de um para colocar na mão de outro que ia dar merda, mas ninguém escutou o pobre coitado, que pena…

    • krasis julho 18, 2011 às 4:25 pm #

      Sinceramente,
      Não sei de onde você tirou essa ideia de “defensor do português correto”.
      O trecho que você sugeri inverter, está no contexto que bem entendemos, ou seja, de atingir quem estiver lendo, se isso incomoda, maravilha!!! o texto está funcionando então. Mas em relação as diversas interpretações que podem ocorrer, isso é uma questão complicado pois, QUALQUER texto, seja ele bem ou mal escrito, pode levar a N interpretações. Portanto, ao se ler um texto, deve se considerar o contexto em que ele está inserido e ao entendimento cultural/educacional do leitor que o está lendo, que no caso, não temos como controlar este tipo de coisa, e mesmo que tívessemos essa escolha, seria algo classista de nossa parte.
      Não entendi a questão sobre a definição da palavra preconceito, que eu saiba é uma atitude discriminatória em relação a algo ou alguem.

      Acho estranho cobrar algo como “o português perfeitamente correto”, pois torna-se uma exigência acadêmica autoritária, sendo que nossa educação não corresponde as exigências cobradas. Poderia apontar diversos erros em seu comentário também como acentuações, concordâncias e etc. mas acho desnecessário este tipo de coisa. Como já dizia um professor de português meu ” não importa que você escreva errado, o importante é informar e entender o contexto, o resto é apenas regrinhas”.
      Não saquei o que você quis imendar com o lance de comunismo, anarquismo e esquerda. O que Karl Marx tem a ver com Veganismo? Que eu saiba, o comunismo nunca abriu essas questões, que loucura é essa? Anarquismo nunca passou de uma ideologia?As comunas, lutas e revoluções históricas foram o que então? Não esvazie a historicidade por favor.

      • Francisco julho 18, 2011 às 11:14 pm #

        Tá, então vou explicar. O único comentário deletado do post foi o meu. Você ficou bravo pois usei termos ofensivos, de fato, para um vegan eu posso considerar que sim eu usei, mas se você considerar que hoje boa parte da população (pelo menos aqui no Brasil) come carne e bebe cerveja o termos não foram ofensivos, talves “puta” possa ser, mas como já foi escrito “buceta” por um dos autores aqui então acho que não foi nada demais.
        Quanto ao português, acho que se eu escrever “nóis vai” em vez de nós vamos e colocar isso entre aspas não tem nada demais, não? Pelo menos eu entendo que foi um recurso que a própria língua portuguesa fornece para essas “aberrações” possam existir, já que muitas vezes se usa em literatura. Então a forma que escrevi no primeiro comentário seria “tosca” mas nem por isso “errada” na linguagem chula. Sendo assim, falei que você é defensor do português correto, já que você criticou a forma com eu tinha escrito. Sim você pode apontar diversos erros no meu comentário, pois não sei nada de concordância e não domino nenhuma regra da língua portuguesa, com exceção do uso do “m” e “n”, embora ache linguística fascinante.
        Já a questão de emendar anarquismo e comunismo é justamente pelo fato das duas correntes serem socialistas e terem um caráter “liberal”. Se você participa um movimento que me parece de esquerda (não sei se é), então porque deleta um comentário só porque se ofendeu? Então para quem deletou um comentário poderia deletar outro. Isso não é oque qualquer país comunista de hoje vem fazendo? Esconder oque incomoda? Aqui cabe uma ressalva, pra qualquer um que tenha tido pelo menos o trabalho de ler qualquer livro que seja do Marx, sabe que o comunismo “dele” não é o que a gente vê por ai, assim como quem leu qualquer livro anarquista sabe que anarquia não tem nada a ver com baderna/bagunça. Também não esvaziei a historicidade, ela foi esvaziada pelas próprios que a vivenciaram e vivenciam. Se a esquerda é manchada não fui eu que colaborei pra isso. Muito pelo contrario, sempre vi na anarquia o mundo ideal e justo que seria se as pessoas fossem capazes de se entender minimante , mas infelizmente não são, e pelo que parece nunca serão (a exemplo de Stirner se é que se pode chama-lo de anarquista). Então me lembro que Bakunin, ou Kropotkin, Proudhon ou até mesmo Tolstoi( esse não era anarquista, mas convenhamos que colaborou PKCT) falaram que o problema do ideal comunista é que ele seria corrompido quando tivesse o poder, e diga-se de passagem que realmente foi. Da minha parte entendo deletar comentário é hoje uma atitude tipicamente dos comunistas (ocultar informação que mancha o ideal). Já que o blog é meu deleto o que me ofende, mesmo que não seja ofensivo a realidade brasileira. Por mais movimentos e expressões que a anarquia tenha nos brindado, você a de convir comigo que foi e ainda é inexpressivo mesmo nas mais variadas correntes que possui, inexpressivo não em valor, porque aqueles que participam sabem o valor que tem. Mas no sentido de que tá ainda muito distante lembrando que o anarquismo começa a “tomar forma” lá pelos idos do sec.XVII.

        Já sobre o preconceito, a pergunta é realmente pra saber oque define algo como preconceito. Tipo qual é a linha que separa: isso é preconceito X isso não é preconceito. Outra questão que me pergunto também é sobre pré-conceito, tipo, é bom ou é ruim ? Preconceito é igual a pré-conceito?

        Grato

      • krasis julho 19, 2011 às 1:20 am #

        Legal que você explicou, mas vou deixar bem claro o seu comentário “injustamente” deletado, algo como:

        “Vamo pro bar comer um bife, tomar cerveja e comer umas puta”.

        Para o Brasil da cultura machista do bar, regado ao álcool e finalizado com putas….IMAGINA, você foi muito bonzinho até.
        A “buceta” escrita por um dos autores, é propriamente de uma mulher e feminista, no qual pode e deve se reapropriar da palavra, pois a mesma é vista apenas como objeto de uso recreativo do macho e não como orgão que compõe e pertence há um outro ser humano dito MULHER. Portanto, está longe de querer comparar o contexto da sua frase, com o conteúdo deste blog.
        Cara desculpe, você puxou um viés de anarquismo, comunismo e liberalismo muito bizarro, caindo como desculpa a idéia de “olha deletaram meu comment…eles não sao anarquistas o suficiente” …mano, que porra é essa? Você foi, talvez o 5º comment deletado dentre outros milhares, e olha!!! os outros comments estão aqui!! Porque ein????

        “Da minha parte entendo deletar comentário é hoje uma atitude tipicamente dos comunistas (ocultar informação que mancha o ideal) Já que o blog é meu deleto o que me ofende, mesmo que não seja ofensivo a realidade brasileira. “

        Tu tá falando em nome da nação brasileira, ditando o que é ou não “ofensivo a realidade brasileira” -é isso mesmo Arnaldo?- Muito patriota e digno para um assumido anarquista ein?? Diria também que está “cagando regra”.
        Se VOCÊ não acha o conteúdo do seu comentário ofensivo para uma mulher, ao mencioná-la juntamente como apretecho de um buteco, ao lado do torresminho e da geladinha. Conformesse ter o seu conteúdo apagado, pois ninguém é obrigado a engolir coisa desse tipo!! Há um bom senso em se criticar algo e não apenas verborragiar qualquer coisa ao custo de impor alguma frase que cause “impacto”. Pra que isso? pra incomodar?….Vai falar que agora somos moralistas também? Como já disse, os comentários são abertos, e que os mesmos tenham o mínimo de coerência e ética. Não fomos nós que entramos no seu espaço para confrontá-lo.

  46. Robson Fernando de Souza julho 17, 2011 às 3:34 am #

    Dez mil vezes PARABÉNS E OBRIGADO, Mexy e Jo, por esse texto tão petárdico contra essa ondinha alfacista extremamente ridícula que vem assolando a internet!

    Estava sentindo falta de um texto assim que nos defendesse desses indivíduos cujo intelecto é menor que o de Quico subtraído do de Beavis & Butt-head com pitadas do maligno George W. Bush.

    Eu poderia escrever um artigo inteiro aqui elogiando o texto e vcs também, mas seria mera redundância, seria repetir a admiração que eu sinto por vocês.

    Aproveito, como dono do blog Consciencia.blog.br, engajado em grande parte das causas em que o Krasis também se engaja, pra pedir pra vocês a autorização pra reproduzir lá o artigo, preservando mais que merecidamente a autoria.

    Fica também a perspectiva de que mais uma amizade entre blogueir@s surja, uma vez que eu e vcs compartilhamos de muitas causas, como o veganismo, o feminismo e o ateísmo (no meu caso, milito contra a ateofobia).

    Abração pra vcs

  47. Robson Fernando de Souza julho 17, 2011 às 3:36 am #

    Ah e eu esqueci de pôr no primeiro comentário: também sou dono do Vegetariano da Depressão [http://vegdadepressao.tumblr.com/], onde comento com ironia pérolas onívoras e desmonto artigos e reportagens idiotas que tentam demonizar o vegetarianismo e o veganismo. Convido vocês a darem uma olhada lá =)

    • krasis julho 17, 2011 às 6:41 pm #

      Robson! Já somos fãs do tumblr e do blog há algum tempo, fique a vontade para reproduzir o que desejar, com certeza a admiração é recíproca!
      Ficamos muitíssimo felizes com seu apoio. Chega a ser desanimador receber tanta trollagem quando tenta-se abordar um assunto de tamanha importância e impacto social e ético. Foi revigorante receber seu contato!

      Abraços e parabéns pelos seus trabalhos. Lutemos juntos! (:

      • Robson Fernando de Souza julho 17, 2011 às 6:43 pm #

        Eu também fico feliz por vcs serem fãs dos meus trabalhos =D

        Fica aqui também a proposta de me adicionarem lá no Twitter: @conscienciablog

        Abração

  48. Marcus julho 18, 2011 às 5:39 pm #

    “relação entre sexismo, racismo, especismo e homofobia”

    Basicamente então, todo mundo que discorda de ti em algum ponto faz parte de uma corja de assassinos e devem mudar as suas atitudes até ficarem perfeitos igual a ti?

    Eu como carne então eu sou homofóbico, racista e machista?

    Maior parte dos vegetarianos q eu conheço não come a carne, mas não faz nenhuma objeção aos derivados animais…quer dizer não precisa ser totalmente “do bem” só um pouquinho ta bom!(pelo que entendi a autora não come nem derivados, porém não a vi contestar os colegas que o fazem)

    Problema do mundo hoje é que todo mundo quer ser o defensor da moral e empurrar goela abaixo dos outros.

    Porque ao invés de insistir em mostrar os malefícios da carne e condenar quem come, não fala dos benefícios do vegetarianismo e deixa que as pessoas tomem as suas escolhas? Afinal cabe a cada um a responsabilidade de carregar o karma pelos seus atos!

    • krasis julho 18, 2011 às 7:21 pm #

      Ninguem falou em perfeição por aqui, ou falou??
      Veganismo é luta contra exploração e matança de animais e não o bem estar humano e cor de rosa!
      Se somos assassinos? Se consumimos carne morta e pagamos por ela, indiretamente estamos sustentando uma industria da carnificina animal que mal pode se defender ou escolher pro aquilo. Se tomamos leite e pagamos por isso, estamos contribuindo indiretamente para que uma vaca seja “inseminada” (< insira estupro animal aqui) artificialmente e constantemente para que fique grávida e produza leite, até que a mesma fique tão debilitada e morra por exaustão.

      Não é uma questão de que "quem como carne é prioritariamente homofobico, sexista e especista"
      Mas é uma questão que linka a outra, ou seja, inferiorizar algo que é respectivo a você. Por exemplo, racistas inferiorizam outras raças que julgam menos dignas, homofóbicos inferiorizam diferentes orientações sexuais que nao sejam respectíveis a dele, especistas julgam inferiores outros seres respectivos a ele.
      A uma constante nesses discursos, o de superioridade acima de algo ou alguém. Por isso existe aquela imagem sobre Racismo=Especismo=Sexismo.

  49. Wald julho 18, 2011 às 5:50 pm #

    Então tá bom, deixe o mundo parar de consumir carne bovina e suína (exemplos). Você vai oferecer pasto para os animais? Você vai criar uma área, para todas as vacas serem felizes lá? Essa área é grande? É sua? Você vai financiar sem ganhar nada com isso?
    Quem você acha que vai alimentar e abrigar vacas, porcos, galinhas, se ninguém for comê-los, ou melhor, comprá-los?

    Assim como você critica homofóbicos, racistas, sexistas, você tem preconceito com quem come carne. Sou heterossexual e não fico atormentando homossexuais dizendo que dar o rabo ou beijar homens é errado ou antinatural, muito pelo contrário, cada um escolhe o que quer. Mas isso só serve pro comportamento que VOCÊ acha correto?
    “Ninguém pode atormentar os outros por sua escolha sexual, raça ou sexo. Mas vamos atormentar os onivoros, TEMOS que transformá-los em vegans!”
    Você não quer comer carne? Não coma. Mas não vai enxer o saco de quem come.

    • krasis julho 18, 2011 às 7:58 pm #

      Ué, mas antes de existir algum pasto ou fazenda como que era? Haviam milhares e vacas, porcos e galinhas ocupando todo continente? Nossa, que afronta a humanidade!! Vamos engaiolar todos!!
      Sabia que nossos bois, vacas, porcos e galinhas tem uma estimativa de vida muito baixa, justamente pela quantidade de hormônios e manipulações genéticas…mesmo que deixemos de consumí-los, um boi no máximo duraria 5 anos em meio ao seu habitat. Aliás, você ja viu um argupamento de bois em seu habitat? Há é, nós acabamos com ele.
      Ninguem está atormentando onívoros, você se senti incomodado por alguem ser vegetariano? Nossa, o feijão é uma afronta!
      Preconceito com quem come carne? Nao estamos indo contra as pessoas e sim contra o seu hábito de inferiorizar outras espécies em troca do seu bem estar.
      Você quer continuar sustentando a chacina animal? Continua! ninguém está impedindo você disso, os açougues estão por aí de portas abertas. Porque se incomodar e stressar tanto com uma minoria? Não entendo esse nervossismo.

      • Mais Um julho 20, 2011 às 6:09 pm #

        Nada contra quem não quer comer carne, mas vocês me parecem meio extremistas mesmo. Alguns pontos:

        1-Sim, eles andavam por aí (ou pelo menos seus ancestrais) e engaiolamos todos:
        http://en.wikipedia.org/wiki/Aurochs
        Ainda tem primos dos nosso bois e vacas soltos por aí:
        http://en.wikipedia.org/wiki/Gaur
        http://en.wikipedia.org/wiki/Wild_water_buffalo
        entre outros…

        2-Gado vive até 15 anos, às vezes até 25.

        3-O Gado e outros animais foram “inferiorizados” pela nossa espécie há anos, e isso levou ao desenvolvimento que temos hoje em dia e consequentemente deu condições à sua forma de pensar.

        Pode ser que ao longo de mais alguns séculos, deixemos de comer animais, com alimentos sintéticos ou algo parecido.
        No entanto, forçar o seu modo de pensar sobre os outros vai contra
        a liberdade de pensar que permite a sua filosofia. Lembre-se disto e respeite os outros.

        Ah, e lembre-se também que todos os pedaços do gado são utilizados para se fazer alguma coisa, desde sapatos até cola. Com certeza você “usa” os métodos que luta contra sem saber.

      • krasis julho 20, 2011 às 7:09 pm #

        Uma luta contra algo ou alguem que visa explorar e torturar, não pode ser tão boazinha, mas também nao pode ser impositora e ditatorial. Há uma necessidade maior de conscientizar, mas o grande problema nisso é o quão invisível ela se torna.

        1- Sim, o Auroch foi extinto por nós, seres humanos!
        Os outros “primos” citados foram criados por nós humanos também! Tanto pq são considerado uma espécie doméstica, e isso Darwin explica muito bem, de como enfiamos o dedo em experimentos de “tentavia e erro” no cruzamento de animais…..por exemplo cães, diversas raças como Pug, Buterier, York Shire e outros, são consequencia de inúmeras tentativas e erros, formando raças com problemas respiratórios, de visão, reprodução, entre outros. Acho muito bunitinho ver um Pug passeando por aí, mas ao mesmo tempo, tenho dó da condição de vida do mesmo, devido ao seu má funcionamento respiratório.
        Mas voltando aos Bois e Vacas, que humanos consomem, estão longe de ser alguma espécie formada de cruzamentos naturais, mas sim de intervenções humanas com intere$$es maiores.
        Portanto não se trata de que algumas exceções vivem soltas por aí, enquanto alguns milhões estão presas num cercadinho e durando no máximo 5 anos (nenhum fazendeiro esperaria 15 ou 25 anos para um boi ou vaca crescer). Isso configura-se como Bem-Estarismo, explorar alguns para favorecer milhares. Poderia até extender isso ao âmbito humano, pois nosso sistema capitalista de trabalho, é moldado exatamente nessas questões hierarquicas, alguns detem a maior parte enquanto outros sustentam seu pilares de platina. É o mesmo que fazemos com animais, engaiolamos alguns, que na verdade são muitos, para distribuir a outra espécie mais soberana, no caso nós humanos. Se alguem me disser que esses processos industriais são “naturais”, então me considero perdido nos conceitos mais básicos da biologia.
        Ninguém está forçando o modo de pensar de ninguém, somos seres humanos dotados de raciocínio crítico e analítico, todos tem o direito de expressar algum pensamento contrário aos demais. Pois nem sempre a maioria é a sabedoria plena do que é certo ou errado. Uma nação inteira já foi contra os princípios éticos humanos, violando sua liberdade de pensamento (ditadura, nazismo, facismo), e nem por isso aquela nação deixou de acreditar que estavam certos em julgar seus semelhantes. E o que diríamos então sobre os animais que engaiolamos? Não podemos compreender seu raciocínio, e por isso temos a liberdade de esfaqueá-lo aos milhares? É estranho esse tipo de lógica! E é nisso que criticamos sacou? Não é forçassam de barra ou regima absolutista, mas são apenas críticas e perguntas mal respondidas, mal dialogadas, mal interpretadas….caindo no julgamento de que vegetarianos impõe regras e normas violentas aos seus contrários.

        Sim, muitos objetos são feitos de restos de animais, mas pelo menos eu, minha companheira e diversos amigos, somos criteriosos ao máximo com esses detalhes. Por exemplo meu cinto, tênis, carteira, roupas, pasta de dente, shampoos, sabonete e mais alguns, são livres de exploração animal ou toxicos. Mas mesmo assim é complexo assumir que TUDO está livre da exploração animal, mas se nao tem alguem para encher o saco sobre isso…quem teria? Esses produtos alternativos mostra cada vez mais que é possível sim estarem livre desses derivados de animais.

  50. Vinícius "Semideus" Silva julho 19, 2011 às 12:52 am #

    Achei inteligente o link que você fez com todos os “ismos” nesse artigo… Deu muita coisa pra pensar.

    abraços.

  51. gbi julho 19, 2011 às 2:19 pm #

    Quantos animais morrem mesmo para que os “lindos e inocentes” vegetarianos comam suas verdurinhas????

    Claro que é em menor numero do que um carnívoro precisa, mas não existe dieta livre de sangue inocente.

    • krasis julho 20, 2011 às 12:38 am #

      e você come apenas carne e mais nada?
      Vou deixar uma informação bem legal da Sociedade Vegetariana Brasileira.

      INFOGRÁFICO
      A indústria de carne é responsável por 18% das emissões globais de gases causadores do efeito estufa, ao passo que todos os transportes somados geram 13%.(1).
      . A pecurária gera diretamente 80% do desmatamento no bioma amazônico (2) e 14% em todo o mundo.
      . Somos quase 7 bilhões de pessoas na Terra e criamos, para produzir carne, mais de 30 bilhões de animais (3) que consomem água, comida e recursos energéticos, demandam espaço, despejam detritos, contaminam os mananciais, causam erosão e geram poluição atmosférica.
      . A criação de animais para abate é uma forma ineficiente de produzir alimentos: para cada quilo de proteína animal são necessários de 3 a 10 kg de proteína vegetal (milho, soja etc.) (4).

  52. Hadan Felipe Porfírio julho 20, 2011 às 1:20 pm #

    Olha, você é uma garota inteligente. Leia minha resposta acerca de quando aqueles como você são um porre. Para te poupar do trabalho, estarei dando um “CTRL+C, CTRL+V”: “Vegetarianos são um porre quando passam a comparar-nos a “assassinos-monstruosos-insensíveis”. Se preferem se abster de animais ou derivados dos mesmos, ótimo. Mas quando partem para o ataque pessoal, como se praticássemos uma atrocidade é um porre.” Cada um faz da vida o que bem entende, não critico o que vocês fazem, como fazem e por qual razão fazem. Sempre fui a favor da liberdade humana, desde que essa liberdade não interfira na liberdade alheia. Não critiquei, impus ou falei besteira para vocês. Se o que fazem o fazem porque acham que é o correto, mérito a vocês e apóio. Eu me referi aos sem noção e ao seu momento de devaneio que compara alguém como eu ou o @iskiebae a racistas e outras coisas igualmente “elogiosas”. Não tem nem comparação, não é mesmo? Eu continuo vendo que animais estão aí para nos servir, cada qual com sua função. Uns para nos entreter, como os de estimação e outros para nos alimentar, como vacas e galinhas. E, assim como eu, boa parte do mundo o crê assim, caso contrário, não produziríamos tantos animais e produtos derivados destes para consumo, sendo que, há produtores que creem que não há necessidade de estressar ou fazer o animal sofrer enquanto vivo, da mesma forma que não há necessidade de fazê-lo sofrer enquanto está sendo abatido, sendo muito mais caro fazer isso com dignidade pelo animal do que os métodos que todos nós já conhecemos. Não vejo nada cruel nisso, pelo contrário. Com relação ao “arroz, feijão e cerveja”, vou nem comentar. Como carne porque gosto do sabor na minha boca e ponto final. Nenhuma outra razão senão o prazer que sinto ao degustá-la e não porque sou um assassino frio e sanguinário. Agora, veja bem. Eu disse que cada qual faz da vida como bem entender. Não sou o senhor da razão e não estou aqui para criticar vocês, se estão “certos” ou “errados”. Só me senti empolgado com a discussão por causa do que o “@iskiebae” falou mas acho que vou passar a acompanhar seu blog. Agora, que já teve vegetariano me enchendo o saco por causa de carne, já teve sim, como sempre tem. Então eu relevo, entro na brincadeira. Não levo pro lado pessoal. Ao passo que a pessoa fala que eu estou “comendo um cadáver” eu emendo que é o “melhor cadáver que já provei”. E ninguém fica chateado com ninguém. Eu, se fosse você, relevaria sempre que alguém brincasse comigo falando que se eu tiro o bife e o ovo, não sobra nada no prato para comer. Mas cada um reage ao seu modo. Se me criticasse – como de fato criticam – por outras questões, faria como sempre fiz: enquanto não for levado para o lado pessoal, eu relevo. Meu comentário foi uma resposta. Não estou me desculpando por nada do que disse. E repito: vou acompanhar seu blog daqui prá frente.

    • krasis julho 20, 2011 às 7:51 pm #

      Obrigado pelo elogio, mas no momento, a pessoa que lhe respondeu foi um garoto, pelo menos ainda o sou! aUHAuhaUAua (esse blog é constituído por duas pessoas)
      Generoso da sua parte dar o CTRL+C, CTRL+V, não precisa ser tão atencioso, mas eu entendi bem o seu argumento e já o respondi. Não parti para ataques pessoas, pelo menos tento falar em um âmbito generalista, não posso considerar as exceções de que um é mais bonzinho ou correto que o outro, a matança continua e essa desculpa não ajuda em nada. Somos sim assassinos-monstruosos-insensíveis….direta e indiretamente, além de animais, acabamos com diversos outros meios que visam sempre a nos favorecer e nessa lógica, logo estaremos buscando outro planeta para morar, pois o nosso já estaria se esgotando das reservas, mas isso ainda seria utópico demais de se pensar….mas ainda é uma possibilidade.
      Pow, se vc disse que nao falou besteira para gente, então porque disse que “todo vegetariano é um porre”, se isso é apenas uma metáfora, considera as minhas o mesmo, pois como você mesmo disse que “não se deixa levar a sério e releva as brincadeiras”…então não há necessidade de esclarecimentos.
      Pouco me importa o que esse @iskiebae fala ou pensa, em momento algum levo em consideração essa pessoa, muito menos em grau comparativo com alguem.
      Se você e mais a outra “boa parte do mundo” considera que os animais estão aqui para nos servir, ok! Pois para mim isso é um conceito um tanto bíblico e sem fundamento lógico. Como ja disse, as condições modernas em que vivemos, não estão em patamar de comparação ao ambiente selvagem em que se torna uma necessidade/sobrevivência. Estamos sentadinhos na cadeira e respondendo em frente a tela de um aparelho, comendo um salgadinho sintético sabor “picante robô gigante” e tomando nosso suco “vermelho vulcão tropical” no qual escolhemos na parteleira do mercado. Isso é escolha!!! e sabemos o que queremos, mas não sabemos da onde vem!!!! É uma cultura do “não me importo que isso seja feito de forma cruel, mas é muito gostoso!”….valorização extrema do prazer individual, acima de qualquer outra coisa. Então é liga o foda-se e capota o boi de cabeça no moedor, enquanto do outro lado, o trabalhador de salário mínimo empacota os filetinhos moídos no saquinho de poletileno insustentável. É muito cômodo, é muito fácil.
      A questão do gosto e do prazer da carne é amplamente discutida, o paladar, assim como o nosso organismo é facilmente adaptável…é por isso que existem diversos gostos pessoas por diversas coisas, podemos tornar algo horrível, em algo agradável apenas forçando a degustação constante. Por exemplo cigarro e cerveja, para mim, são horríveis e intragáveis, mas consegui adaptar o sabor do cigarro, testando o meu paladar….e confesso que fiquei 1 mês inteiro gostando de fumar, mas larguei o costume por saber que não me serveria pra nada além de causar malefícios.
      Bem, sobre brincadeiras do dia a dia e etc…cada um tem o seu jeito de lidar e interagir, nem todos tem a mesma paciência de relevar certas brincadeiras, pois se somos 100% do tempo assim, deixamos transparecer que o que acreditamos é pura piada, não concorda? É o que acontece comigo constantemente, deixo relevar várias piadas sobre ser vegetariano, mas nunca bati na mesa para silenciar alguem por esse motivo.

  53. Hadan Felipe Porfírio julho 20, 2011 às 8:08 pm #

    É um bom argumento.

  54. Felipe julho 21, 2011 às 4:38 pm #

    sou vegetariano e concordo com o Hadan Felipe Porfírio. Minha namorada é onívora, grande parte dos meus amigos são onívoros e toda minha família idem. Ninguém é idiota a ponto de achar que carne vem do pacote. Cada um é livre pra comer aquilo que quiser e da mesma forma que odeio vegetarian-haters que vem com aquela de “minha comida caga na sua” odeio vegetarianos chatos que pregam o que cada um deve comer.
    Isso só cria treta e discórdia dos dois lados e cada vez menos respeito pela opção de alimentação do outro.
    Minha namorada me pediu hoje para ir a uma churrascaria…mas disse que não precisamos ir se eu não quiser. bom…faço questão de levar ela. Não é pq eu não vou comer nada lá que ela não possa comer. Até pq um relacionamento também é aceitar e conviver com as diferenças do outro.

    • krasis julho 21, 2011 às 7:35 pm #

      Não é uma questão de ser idiota e que as pessoas sabem o que comem, mas há um disassociação enorme em cima do que consumimos. Quanto mais moldado e processado é um alimento, suas embalagens, formas de publicidade e tratamentos….você perde a referência do que aquilo já foi um dia, ou seja, de que aquilo tinha 4 patas, sentia emoções e se destinou a morrer para virar comida.
      O problema é que o processo disso tudo é incurtado – boi > churrasco, galinha > nuggets…e por aí vai. Tem até um programa do Jamie Oliver que ele mostra para as crianças o frango morto, e todas tem um imenso nojo e dó daquilo, em seguida ele demonstra todo processo de moer o frango até virar uma pasta e ao fim o nuggets. O intuito dele era fazer com que as crianças soubessem da onde vinha aquilo e imaginava um resultado de negação do mesmo, mas para surpresa dele…as crianças exitam no começo mas logo todas comem o nuggets. E oq isso tudo significa? A objetificação, forma e simbologia do produto, se tornou mais forte do que saber o que aquilo realmente é!! Portanto, se fizermos um experimento absurdo com carne humana, nesse mesmo processo do nuggets…pouco importa, o sabor e a forma disassociada prevalecerá e se tornará comum.
      Mas voltando ao que você comentou, também odeio esse “empurra-empurra” de ambos os lados, isso causa discussões intermináveis gerando suposições absurdas.
      Nessa questão de relacionamento, claro que não podemos interferir nas nossas escolhas dos outros. O vegetarianismo ou veganismo é uma questão ética e também de conscientização acerca do direito animal, e cada um nivela ao seu modo.

  55. Hadan Felipe Porfírio julho 21, 2011 às 8:37 pm #

    Dizer que se a carne humana fosse processada do mesmo modo seria “visivelmente aceitável” é esdrúxulo e irreal, para não dizer outra coisa menos elogiosa. Ao menos, não em uma cultura dita civilizada.

    • krasis julho 21, 2011 às 9:04 pm #

      Por isso dei ela como exemplo, pois é algo visto como afronta para nós…é esdrúxulo? Claro! mas irreal não é!
      Se for dar exemplo utópicos, que aliás, parecem que já não são tão utópicos assim….Carne invitro é um assunto que aborda essa possibilidade, já que o processo de criação dela é artificial, então podería ser de qualquer procedência…até humana.

  56. Cândido Candieiro julho 21, 2011 às 8:47 pm #

    Bravíssimo!!!

  57. Bruto julho 21, 2011 às 10:33 pm #

    Ah, o veganismo urbano limitado que acha que conhece o mundo. Não confundam a indústria da carne com o consumo de carne, é um bom começo. Sair da frente do Macbook e passar algo tempo longe de São Paulo ajuda.

    • krasis julho 22, 2011 às 2:46 am #

      Ah, a sabedoria humana…me dá agua na boca ler esses comentários, pelo menos treino melhor meus argumentos, escrita e diálogos.

      Não confundam a indústria da carne com o consumo de carne, é um bom começo.
      Não confundam rural com urbano, também é um bom começo. Aliás , conselho execelente pois um sustenta o outro né? Ou um formou o outro?Estou confuso com a historicidade. Mas então qual seria o fim do conselho? Parece aquelas charadas inacabadas.
      Mas sem sátira do macbook, que aliás são tão caros que nem imagino como poderia comprar um, acho engraçado criticar quem usa computador, USANDO um computador, parece uma piada para se rir sozinho.

      • Bruto julho 22, 2011 às 2:19 pm #

        Os argumentos continuam toscos, os outros pontos de vista continuam não compreendidos. O maior problema do veganismo é achar que todas pessoas que consomem carne e derivados estabelecem as mesmas relações com os animais que um consumidor de supermercado. Novamente: é necessário entender que a indústria da carne é a exploração e a deformação das relações entre humanos e animais, não o consumo de carne em si. Não faz sentido exigir que um nativo ou um camponês precisem seguir preceitos veganos para respeitar os animais. As formas de relação não podem ser resumidas nesse pastiche focaultiano. A provocação é essa. O veganismo precisa ampliar as fronteiras do conhecimento das relações entre humanos e animais antes de resumi-las a uma ética balizada simplesmente pelo consumo ou não de carne e derivados animais. As questões são globais, mas não são universais. O texto é bom, a provocação é provocação.

      • krasis julho 27, 2011 às 3:33 am #

        É continua tosco comermos sangue, nervo, tendão, pus e mestruação.
        Analisando bem seu argumento, SIM há com certeza uma relação do consumidor de carne do supermercado com os animais!! Pois se há uma necessidade moldada por nós, então há uma demanda voraz!!$$$$. Como não vimos isso antes? I DISCOVERY SOMETHING AMAZING! AMAZING!! A-M-A-Z-I-N-G!!!!
        Sério cara, olha bem pro seu bife no prato, depois olha bem pra ele na bandeija de isopor no supermercado, depois vá numa fazenda e olha pra cara da vaca…..sacou a assossiação? É UM BICHO MORTO!! não tem como ter sido outra coisa que foi multilada, torturada, encarcerada, drogada, abandonada, estuprada, esfaqueada, pisotiada, sufocada e despedaçada. Simplesmente não tem!! Esse papinho conveniente de “mas industria da carne nao é o mesmo que consumir carne” é o negociu mais bem-estarista que já li e continuo lendo, e não vejo necessidades de pedir desculpas por estar sendo irônico ou talvez grosso demais, pq enquanto perdemos nosso tempo aqui debatendo esse tipo de argumento ridiculo, há pelo menos 10 milhões de vacas tomando facadas na guela pra fazer o hambuger com queijo do seu almoço de amanha, sentado no assento de couro da lanchonete bunitinha e bem iluminada. É conveniente, cômodo e fácil….coloque-se uma vez na posição da vítima, no caso uma vaca, e imagine a sua vida, nascendo com um destinado marcado para morrer, quase com data pré-agendada, e nesse meio tempo tomando porrada para ir de um lado para o outro, dentro de grades, salas, moldes, coleiras e máquinas de sucção, sendo estuprada constantemente, tendo seus filhos tomado de você aos berros e depois de uns 5 ou 7 anos de exaustão, descansar num moedor gigante, formando pequenas rodelas cobertas de queijo, alface e pão comida por algum estranho sentado num banquinho feito com a sua pele, e reclamando da sua diabetes que está te restringindo demais.
        Comovente a historinha ein…mas sei que muitos diriam resumidamente em um pensamente Neandertal…”foda-se…eu adoro bacon”.
        Mas que fuck de “pastiche focaultiano” vc está falando? Tu atropelou uma coisa dessas e mal explica o que significa? Aqui nao é debate acadêmico, muito menos literário, não estamos discutindo Foucault, Freud ou Nietzche, se você acha algo desse tipo provocativo, sinto lhe informar que falhou!
        O veganismo não precisa ampliar nenhuma fronteira “a mais” da relação de animais com humanos, sendo que todo seu conceito já o deixa bem claro de sua posição! Peço que se informe melhor, já postei diversos sites que são extremamente competentes em todas questões que envolvem veganismo e direito animal. Mas se você insistir em dizer que é uma “desculpa ética banalizada” chega até ser um pouco engraçado mas te pergunto o que é ético entre humanos x animais? Estripar 10 porcos ou cortar 10 pés de alface? Nosso, como esses vegans são errados ein?!?! Quase vomitei com a cena dos alfaces sendo cortados…que terrível!!!! Pohan né!!! Não é preciso explicar o que é ético de um ser humano contra um animal, sendo que temos uma porrada de armas e instrumentos cortantes e letais contra quase todo tipo de ser desse planeta, a troco de garantir um respeito pra quem? Só se for pro nosso amigo imaginário que vive acima das nuvens, que aliás é muito doidão.
        Óbviu que as questões são globais em diversos sentidos, pelo fato desse consumismo de animais mortos ser INSUSTENTÁVEL para nós, para os próprios animais e para o planeta, mas o que eu não entendi direito é o “universais” pois se envolvemos questões globais, estamos falando das questões emergentes que envolvam nosso planeta e portanto, todas sociedades que o habitam, ou seja, nós humanos nao vivemos sozinhos por aqui, viémos bem depois e tomamos tudo como propriedade, selado e inspecionado. E não recebemos um não como resposta das outras espécies!! Será que não entendemos o que eles dizem, pq não enxergamos como eles reagem ou pq nós mesmos nos alienamos e cegamos a tudo isso??
        Olha pra TV, pros comerciais!! compre mais leite, mais calcio, mais carne, mais fibras para cagar, mais danone pra ficar feliz, mais açucar liquido, mais remédio pro estômago pós feijoada, mais anti-ácido, mais remédio para emagrecer, mais hamburger, mais queijo, mais Sadia, mais Perdigão, mais remédio contra colesterol, mais vitaminas, mais exercícios.
        Tem algo errado nisso tudo aí não?

  58. Hadan Felipe Porfírio julho 22, 2011 às 1:11 pm #

    O Natal também.

  59. Thiago Fraga Habib julho 23, 2011 às 9:47 pm #

    Faltou apenas um botão para “like”, outro para compartilhar no Facebook e outras redes sociais…

    • krasis julho 27, 2011 às 2:54 am #

      vamos providenciar isso, não sei se o wordpress free há estes gadgets! Mas obrigado!

  60. Daniel Nascimento de Oliveira julho 24, 2011 às 3:14 pm #

    Ééééééééé…

  61. Leonardo julho 26, 2011 às 9:40 pm #

    Parabéns à vocês.
    Parabéns pelo texto, pelo pequeno debate tolerânte e inteligente que conseguiram manter nos comentários, pela postura que vocês aderiram e pela paciênca em rebater as mesmas perguntas e ofensas feitas para quem adota tal postura.
    Cheguei aqui por acaso, gostei do que li e continuarei visitando.
    Abraços e não desanimem jamais!

    • krasis julho 27, 2011 às 2:53 am #

      Obrigad@!!
      Realmente tirei uma paciência em meio ao trabalho corrido, gerando atrasos, dores de cabeça e cansaços, mas creio que é necessário debater, nem que seja por argumentos mal resolvidos das pessoas, que imaginam estarem sendo confrontadas, mas na realidade estão sendo enganadas e vendadas sobre nossa realidade, aliás, a realidade de 53 BILHÕES de seres que sofrem e morrem constantemente, e imaginar e ver que estarmos a par disso, é realmente triste.

      Valeu!!

  62. jesus julho 26, 2011 às 10:11 pm #

    Binford (1984) sustenta que nenhum sinal de práticas
    carnívoras indica o uso de produtos animais (i.e. evidência de práticas de
    sacrifício) até a aparição, relativamente recentes, de humanos anatomicamente
    modernos. O exame ao microscópio eletrônico de fósseis de dentes encontrados
    na África Oriental (1984) indicam uma dieta essencialmente composta por frutos,
    igualmente o exame similar de utensílios de pedra provenientes de Koobi Fora,
    Quênia, de 1,5 milhões de anos, (Keeley and Toth 1981) mostram que eles
    usavam para cortar os vegetais. O pouco de carne na dieta no início do Paleolítico
    era mais provavelmente encontrada do que particularmente caçada (Ehrenberg
    1989b).
    A condição “natural” da espécie é evidentemente a de uma dieta formada
    em grande parte por alimentos vegetais ricos em fibra, ao contrário da alimentação
    moderna de alto conteúdo em matérias gordurosas e proteínas animais com sua
    seqüela de desordens crônicas (Mendeloff 1977). Nossos primeiros antepassados
    utilizavam “seu conhecimento detalhado do meio, numa espécie de cartografia
    cognitiva” (Zihiman 1981) na atividade de coletar as plantas que serviam a sua
    subsistência, as evidências arqueológicas da existência de caça não aparecem
    senão muito lentamente ao longo do tempo (Hodder 1991).

    as pilhas de ossadas nas quais antes se via uma prova de matanças em massa de mamíferos, ao examiná-las resultaram em vestígios de inundações ou de refúgio de animais.Em “Were There Elephant Hunters at Tooralba?”, Lewis Binford’s (1989) duvida
    que as primeiras caçadas significativas teriam aparecido antes de 200.000 anos,
    ou mais cedo. Adrienne Zihiman (1981), chegou à conclusão de que “a caçada
    apareceu relativamente tarde na evolução”, e “não existia antes dos últimos
    100.000 anos”. E há muitos (e.i Strauss 1986, Trinkhaus 1986) pesquisadores que
    não vêem evidências de caçadas consideráveis de grandes mamíferos antes de
    uma data ainda mais próxima, ao final do Paleolítico superior, justo antes da
    aparição da agricultura.

    -Zerzan

    vai ai “moderno” continua comendo a sua carne
    e vamos ver se o mundo dura mais alguns anos

    • krasis julho 27, 2011 às 2:49 am #

      Porra Jesus!!
      Mal posso falar como amei o seu comentário, acho que foi um dos mais sensatos e objetivos até agora, que teve a paciência e tempo para descrever algo significativo!
      Valeu!

  63. Hadan Felipe Porfírio julho 27, 2011 às 1:05 pm #

    Sei que vai ser o comentário mais estúpido que alguém faria, mas justamente essa associação “quem come carne é um monstro assassino insensível”, que antes me deixava puto, agora já nem me incomoda. Não quero ofender os donos do blog – que por sinal são pessoas bastante simpáticas – mas… ainda bem que eu não sou uma vaca.

  64. Across agosto 1, 2011 às 7:09 pm #

    Concordo plenamento. No caso de “sobretudo se for uma vida branca, masculina, bem sucedida financeiramente, heterossexual, cristã, onívora e motorizada” só faltou mencionar “e com um pau maior ou igual a 25 cm”

  65. Vegatronic agosto 2, 2011 às 5:42 am #

    NOSSA, basta alguem negar a idéia desse casalzinho que eles partem pra cima com toda ignorancia do mundo, jesus do céu!
    acho que nunca vi tanta hipocrisia e infantilidade na vida, nao sei a idade do casal mas agem como crianças, fecharam os olhos pra verdades que foram repetidas seguidas vezes, pessoal cabeça dura, se gabando pq tem vida sexual ativa e gritando pro mundo q sao felizes e unidos…….. problemas sérios, o rapaz falou a real alí, procurem um psicólogo, só verem o tamanho que tá os comentarios, o tanto que voces responderam unilateralmente e como querem dar sempre a ultima palavra tingida com sarcasmo barato… independente do tema que rolou sobre carne versus vegetais, voces discutem igual duas crianças teimosas e arrogantes, levam tudo pro lado pessoal e agridem todos que nao argumentaram ao seu favor
    voces sao um caso perdido a nao ser que procurem ajuda profissional, o amigo ali tava certo, voces vao olhar pra isso com vergonha alguma hora

    ah e outra, muito bonitinho voces argumentando com tanta paixao aqui na internet, na real eu tenho certeza que teriam tomado um soco na cara em diversas ocasioes dessa discussao… que bom que essa critica agressiva só ta aqui na internet, ou entao eu ia sugerir de voces aparecerem no fim do expediente de uma obra cheia de pedreiro comendo a bisteca do dia a dia e discursarem com tanta paixão pra eles dizendo tudo isso que disseram aqui, boa sorte cagões

    vocês tem algo que ja foi chamado de INTERNET COJONES

    tenha uma boa resposta longa que ninguem vai ler tudo
    fui

    • krasis agosto 2, 2011 às 12:30 pm #

      Já que você reclama de grandes respostas pois é preguiçoso, vou te responder em 5 linhas então:

      – Nossa vida nao lhe interessa, portanto se você se acha o bonzão do universo da razão, parabens!! se beije no espelho.
      – Nunca tivémos a ultima palavra, respondam o que quiserem , pq levaria comentários ridículos pro lado pessoal? utilizamos sarcasmo pois somos aloprados genericamente em nosso próprio blog, e por ser nosso blog, respondemos como bem entender.
      – Te pergunto, pra que você veio comentar aqui? Incomoda a sua internet? O ciberespaço é grande e o veganismo não ocupa nem 0,5% dela. Então vá ler um livro, se informe melhor antes de vomitar nas costas dos outros.
      – Que bom que somos duas crianças, aposto que você seja um grande ancião da montanha super sábio que detêm a razão e todo conhecimento da ciência.

      – Ah então quer dizer que vamos tomar um mimimimii soco na cara? Depois nós que somos crianças? Momento machinho “vou te dar um sooooco”

  66. Hadan Felipe Porfírio agosto 2, 2011 às 1:32 pm #

    Vegatronic, mandou mal, cara. O pessoal do blog contra-ataca no mesmo nível dos ataques e este é o espaço deles. Dê uma olhadinha nas discussões entre eles e eu e veja o nível. Ele não agridem gratuitamente quem é contrário ao que eles pensam.

    • krasis agosto 2, 2011 às 1:49 pm #

      exatamente!! obrigad@ Hadan!

  67. gabrielmm setembro 4, 2011 às 11:57 pm #

    nem consigo explicar como isso é verdadeiro!!! Não li as respostas ainda, mas o texto está ótimo.

  68. Éder setembro 21, 2011 às 2:48 pm #

    “Humanos são onívoros/carnívoros”: Ok, compare o seu corpo ao de um Leão. Você tem garras? Presas? Corre o suficiente para alcançar uma zebra? Gosta de carne crua? – Leões não sofrem com colesterol alto e câncer relacionado ao consumo de carne, como nós. Eles não criam rebanhos e não usam máquinas e armas para matar. Eles SÃO carnívoros! Nós somos herbívoros! Sem falar que o homem é o único mamífero que bebe leite depois de adulto, e ainda por cima ROUBA o leite dos outros. Isso é ser natural? Isso é seguir “instintos”? Que porra de instinto é esse?!

    “Mas plantas também são seres vivos”: Plantas não tem sistema nervoso, não choram quando suas mães e filhotes são mortos. Todos sabem a diferença entre arrancar uma batata da terra e esquartejar um porco. E parem de agir como se vocês se importassem com a vida das plantas, isso é só um argumento barato, infantil e ridículo que vocês usam. De qualquer forma, é perfeitamente possível comer frutas, grãos e legumes sem matar a planta.

    “Mas as plantações destroem florestas e etc”: evidentemente. Não há dúvida quanto a isso. Mas talvez vocês devessem saber que mais de 60% da agricultura se destina a alimentar animais de abate, e mais todos os milhões de hectares necessários para criar esses animais. Mais da metade de tudo que já foi devastado poderia ser reflorestado se não existisse a pecuária. A indústria da carne destrói MUITO MAIS o meio ambiente do que a agricultura para consumo humano.

    “Foda-se, eu gosto do gosto da carne”: claro, pessoas são VICIADAS em carne, assim como são viciadas em álcool, cocaína, cigarro, etc. A diferença é que com esse vício, não é só você que sofre as consequências, mas muitos animais inocentes. Existem vários substitutos da carne que tem praticamente o mesmo gosto e textura da carne real, mas as pessoas insistem em ter “nojo” de algo feito de soja (e não tem nojo de um cadáver apodrecido de um animal que não queria morrer). Dizer que não pode almoçar sem uma carne no prato é o mesmo que dizer que não pode ir em uma festa sem beber, ou ir em um show sem usar cocaína ou ecstasy.

    “Veganos são chatos”: Ótimo argumento… pra quem é maioria. Experimentem fazer parte da minoria uma vez na vida, e descobrir a pressão enorme que pessoas intolerantes exercem sobre você. Se você educadamente diz que não quer um sapato de couro legítimo, ou que quer comer algo sem queijo, carne e ovos, todo mundo olha para você como se você fosse louco. Basta dizer que você é vegan ou vegetariano e sempre tem um babaca para dizer “hmmm, nada como uma costela assada”. Eu respeito quem me respeita e tenho vários amigos que comem carne. Mas sou obrigado a aceitar esses argumentos ridículos sem o direito de expressar o meu ponto de vista?!

    • Panzer outubro 4, 2011 às 6:09 pm #

      Sinceramente, quase todos vegans são chatos, por que quase? Existem aqueles que respeita o gosto da pessoa alheia, mas a maioria faz parte de uma moda , eu compara Vegans a Evangélicos, Mormão, etc… Todos querem pregar , querem impor a sociedade o seu ponto de vista, sempre visando o seu só, não olhando para o todo.
      Não sou contra veganismo, igreja e tudo mais, acho que cada um cada um, basta um pouco de respeito mutuo e senso, ninguém quer um chato toda hora falando ” Coma salada” , “pare de matar” , ” que dó dos bichinhos” … A cada dia cresce a quantidade de pessoas que vira do nda Vegan, que começa a posta fotos em rede sociais, videos, em uma forma de “protesto”… pra mim ridiculo, não é um video , uma imagem que vai me fazer de comer carne, mesmo ao contrario pregando o pq comer carne, não irá fazer um vegan comer carne. Eu gosto da carne, me faz bem, me ajuda em exercícios físicos e me satisfaz, não é por isso que eu vou falar ” coma carne”. Quer compartilhar sua opinião, compartilhe mas não vá impor!

      O que falta no ser humano é respeito mutuo! Todo mundo quer ser o certo e o outro sempre o errado.

      • krasis outubro 4, 2011 às 6:25 pm #

        Tô pra ver esses Vegans ou Vegangélicos há tempos, que batem de porta em porta ou de mesa em mesa nos shoppings enchendo o saco dos outros. Essa comparação de vegan e religião é um assunto mais que batido, que se repete constantemente entre aqueles que mal se dão ao trabalho de ler ou pesquisar um pouquinho, abrindo espaço ao achismo e determinismo.
        Acho que respeito “mutuo” deveria ser no geral e não apenas de humanos para humanos, pois é fácil falar em respeito e pouco se foder pra outras espécies ou planeta.
        Vegans nao impoe seu ponto de vista visando o seu próprio umbigo, uma vez q veganismo é uma opção que se escolhe por empatia aos animais, ou seja, em pró mais deles do que nosso, pq os mesmos não tem tanques de guerra contra humanos ou muito menos dotado da fala.

        Ninguem fala “coma carne” pois o status quo já é o “coma carne”, quando surge algo diferente dessa regrinha que os ânimos se esquentam e começa o culto de ódio sobre os alternativos. (só visualizar todo tipo de cultura que verá que todo movimento contrário ao “comum” é combatido violentamente, não importando oq seja)
        Se carne faz bem ou nao é discutível, assim como o gosto/paladar/satisfação é mais ainda, se ajudam nos exercícios físicos não é regra, pois existem atletas olímpicos, lutadores de mma, ciclistas, maratonistas, alterofilistas e etc que são vegans, portanto isso não é um problema.

  69. Panzer outubro 4, 2011 às 6:48 pm #

    hahaha …… Esses Vegans ta espalhado de monte, bom como eu disse “QUASE” não generalizei, falo mais da moda vegan, e do modo destes que se adequam a moda, que quer pregar o veganismo como uma religião, vira fanatismo. Do nada algumas pessoas para, pensa, vou ser vegan! Comeu carne a vida toda, do nada para, começa a sensibilizar com os animais mortos e começa a pregação.

    Como disse não sou contra a nada, alias namorei uma vegan por anos, sou frequentador do verdurada quando possível, tenho amigos que são, gosto de mtas bandas, mas não é por isso que não vou deixar de comer carne, tenho minha opinião sobre o que comer, o que me satisfaz , o que o minhas papilas gustativas aprecia melhor, respeito todos gostos em geral, não gosto de que como algumas pessoas tenta impor seus conceitos a outra, eu como “carnivoro” não preciso ficar falando coma carne, não gosto de religião alguma, não preciso ficar falando ” religião va tudo a merda”.

    O lance é cada um com sua dor de barriga! =D

    • krasis outubro 4, 2011 às 7:18 pm #

      Bem, sei la se eu diria que do nada uma pessoa vira Vegan apenas por moda, pois esse tipo de pessoa geralmente fica 1 semana ou 1 mês vegan e logo cai. Ah não ser que ja sejam vegetarianos que resolveram ir um passo a frente, pois é muito mais facil…..mas absolutamente do nada, acho complexo.
      Mas concordo quanto a impor algo há alguem, se a pessoa nao muda e já está ciente sobre as coisas…não se pode forçar…c’est la vie.

  70. vinícius h agosto 16, 2012 às 3:55 am #

    WOW! Imensa paciência tem que ter para responder cada comentariozinho reaça que aparece aqui… parabéns aos donos do blog pelo ótimo e verdadeiro texto e pela paciência incomensurável para responder os mais mal fundamentados e mal redigidos comentários com educação!

  71. Jéssica Borges dezembro 4, 2012 às 6:07 pm #

    Não sou vegetariana nem vegana. Tenho uma admiração profunda por quem adota esse tipo de dieta, tem que ter muita força de vontade e não é fácil, super apoio a causa. Agora, meter o pau em quem come carne ou coisas derivadas de animais e tratar a gente como se fossemos assassinos já acho errado. Eu sei que muitos animais morrem pra gente ter o nosso banquete na mesa. Mas não é como se a gente não ligasse. Muitas pessoas nem sequer param pra pensar nisso. É uma questão de COSTUME. Quase toda a população tem uma dieta a base de carne desde a infância, é difícil largar de um dia pro outro porque você fica dependente do alimento. E, vamos combinar, tem muito vegetais/grão/whatever que são uma merda né? É difícil gostar. Eu gostaria de ser vegetariana, ou vegana, mas não tenho força de vontade e nem coragem o suficiente. Juro, eu não vivo sem um peito de frango :/ HAUHAU Enfim. Talvez um dia o numero de ~carnivoros~ possa vir a diminuir, assim espero. Só gostaria que vocês entendessem que é uma questão de tempo, porque se trata de um costume, de um vício alimentício. E que não tratem a gente como se fossemos sem coração, tenta ver o nosso lado da história. Enfim, obrigada e abraços ;*

Trackbacks/Pingbacks

  1. Onívoros: A Minha Empatia Caga Na Sua. (via krasis) | Beto Bertagna a 24 quadros - julho 15, 2011

    […] o torresmo com a galera? Xiita. Não gosta da cruz dentro do ambiente de trabalho? Intolerante … Continue Lendo via […]

  2. Onívoros: Minha Empatia caga na sua | Teoria da Conspiração - julho 16, 2011

    […] o restante no Blog da Mexy&Jo AKPC_IDS += […]

  3. Krasis: Onívoros, minha empatia caga na sua! | Consciencia.blog.br - julho 17, 2011

    […] Onívoros: A Minha Empatia Caga Na Sua. por Mexy & Jo, do blog Krasis […]

  4. Links Recomendados de Agosto « Colchões do Pântano - agosto 17, 2012

    […] Onívoros: A Minha Empatia Caga Na Sua – Seria apenas mais um grande “ZZzzZZZz” reacionário da Interwebz, mas o que incomoda são os seguidores. Legiões de desinformadxs aplaudem o discurso de ódio e apatia pregado. É muito descolado ser macho, tr00hardcore e entupir as artérias de bacon, porque animais são burros e feitos pra nos servir. Nós sim somos superiores, e é nosso direito explorá-los até o tutano. […]

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: